Técnico, cujo contrato vai até o meio do ano que vem, não pensa em deixar o clube e deseja mostrar trabalho pegando um time desde o início da temporada

Dorival Júnior tem contrato até julho de 2015 e deseja cumpri-lo. Ao menos foi isso que demonstrou o técnico após "conseguir" deixar o Palmeiras na Série A do Campeonato Brasileiro . Mesmo não tendo "motivos para comemorar", o treinador vê bons frutos plantados e espera a chance de mostrar trabalho com a montagem do elenco para a próxima temporada.

Leia também:  "Estarei sempre em dívida com o Palmeiras", diz Valdivia sobre renovar contrato

Mesmo com as especulações de que não seguirá no cargo no próximo ano, Dorival se apega à molecada e a permanência na Série A para justificar o bom desempenho que ele acredita ter tido. "Eu não me sinto fora do Palmeiras se maneira nenhuma. Fui contratado e o maior problema do Palmeiras naquele momento era o rebaixamento. A situação era muito complicada, mas não vou em méritos aqui, vou discutir internamente com a diretoria. Independente do que vai acontecer, a diretoria vai dizer o que é conveniente para a equipe. Logicamente eu tenho vontade (de ficar) porque os melhores trabalhos da minha carreira foram trabalhos iniciados e finalizados. E por esses sim, eu me responsabilizo. Gostaria de poder iniciar novamente", explicou.

Mouche mostra insatisfação com a reserva no Palmeiras e prevê 2015 diferente

"Eu acho que foi o trabalho mais complicado da minha carreira pela maneira que as coisas vinham se conduzindo. Quando você questiona algumas situações, pouca gente sabe o trabalho que tem sido desenvolvido dentro do clube, a quantidade de pessoas que envolveu essa recuperação. Felizmente, conseguimos, no último momento, cumprimos parte do era proposto", completou.

Dorival, no entanto, não celebra a permanência. "Não temos motivos para comemorar, essa é a verdade. Naturalmente, reconheço que enfrentamos uma situação difícil e complicada, mas tivemos uma caída brusca. No momento em que faltou o nosso principal jogador, complicou e muito o trabalho do grupo, até pela confiança dos jogadores. O Palmeiras tem que repensar o novo momento, voltar ao tempo de ter uma equipe competitiva brigando pelos campeonatos. O trabalho da diretoria, já a partir de amanhã, vai ser em cima da montagem de uma equipe. Está na hora de o Palmeiras ser protagonista em algumas finais", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.