Com suspensão de Nathan e lesão de Tobio, Lúcio e Victornino devem compor o setor defensivo contra o Inter, sábado

Precisando fazer a sua parte para não ser rebaixado, o Palmeiras pode repetir neste sábado, contra o Inter, no Beira-Rio, a zaga do pior resultado de sua história em Campeonatos Brasileiros. Com a suspensão de Nathan e a lesão que deixa Tobio como dúvida, a dupla Lúcio e Victorino deve ganhar sua primeira chance junta desde a derrota por 6 a 0 para o Goiás, em 21 de setembro.

Victorino, zagueiro do Palmeiras
Piervi Fonseca/Agif/Gazeta Press
Victorino, zagueiro do Palmeiras

Leia também:  Candidato à reeleição no Palmeiras, Paulo Nobre cancela entrevista ao iG

Os dois jogadores mais velhos entre os zagueiros do elenco tiveram atuação desastrosa no jogo que, na época, deixou o Verdão na última posição. Victorino terminou a partida em Goiânia reclamando de dores musculares, uma rotina em sua passagem pelo clube, e, mesmo recuperado, não ganhou mais oportunidades.

Lúcio, por sua vez, perdeu a titularidade após não ter condições físicas de acompanhar os atacantes do Santos na derrota por 3 a 1, em 19 de outubro. Após ser reserva de Nathan contra o Corinthians, passou quatro jogos variando suas queixas de dores, escapando do banco mesmo treinando normalmente. Voltou a ser relacionado só quando teve chance de ser titular, na derrota desse domingo, para o Coritiba, por conta da lesão de Tobio.

Como o argentino não trabalha com bola desde quarta-feira, quando sentiu as dores na derrota para o Sport no Palestra Itália, e Nathan recebeu o terceiro cartão amarelo, Lúcio segue no time. Se Victorino jogar, será repetida a dupla não só do 6 a 0 em Goiás, mas também da derrota por 1 a 0 para o Atlético-MG, no Pacaembu, pela Copa do Brasil, quando o criticado goleiro Fábio fez milagres para evitar uma goleada e Ricardo Gareca ainda era o técnico do Verdão."O Lúcio vinha jogando naturalmente, só ficou um tempo fora por lesão. O Victorino já está treinando há bastante tempo, conseguiu fazer alguns jogos sem os problemas de lesão que o atrapalharam no primeiro semestre. E tem uma experiência muito grande, de Copa do Mundo, seleção uruguaia", ressaltou Fernando Prass, que estava machucado nos dois jogos em que os veteranos atuaram juntos - em Goiás, o goleiro era Deola.

"A experiência em uma reta final dessas ajuda. Precisamos pensar nas coisas positivas. Em toda troca, há pontos positivos e negativos. Na fase em que estamos, não podemos só pensar no negativo, precisamos valorizar e potencializar o que temos de bom e diminuir as coisas ruins. Perdemos dois jogadores, mas entram dois que, em outro momento, eram titulares", prosseguiu Prass.

Caso não queira repetir a dupla da desastrosa goleada no Serra Dourada, Dorival Júnior, além de esperar pela improvável recuperação de Tobio, tem como alternativa a improvisação do volante Marcelo Oliveira, de volta após cumprir suspensão na última rodada. Outra possibilidade é Wellington, zagueiro que fazia recondicionamento físico por conta de lesão até a semana passada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.