Após usar força máxima no fim de semana pelo Brasileirão, técnico admite que descanso "poderia ter sido melhor"

O Cruzeiro foi consistente para conquistar o Campeonato Brasileiro com antecedência, mas não conseguiu superar o rival Atlético-MG na decisão da Copa do Brasil. Depois de ter perdido as duas partidas do torneio de mata-mata, o técnico Marcelo Oliveira explicou nesta quarta-feira que seu time sentiu o desgaste físico nesta reta final.

"Ninguém consegue jogar tantas partidas consecutivas e decisivas sem prejuízo. Poderia ter sido melhor se tivéssemos um pouco de descanso. É uma coisa que vem de anos e ninguém faz nada para melhorar", comentou, insatisfeito com o calendário.

O Cruzeiro seguiu com sua força máxima nas rodadas passadas do Brasileirão, para confirmar o título, enquanto o Atlético-MG preferiu colocar os reservas nos pontos corridos, guardando os titulares para o mata-mata.

O lateral direito Ceará apontou justamente a diferença entre as estratégias como determinante. "Isso só demonstra o quão nivelado está o futebol, pois a parte física faz grande diferença. O Cruzeiro jogou cinco jogos com caráter de finais, porque nossos focos eram os dois campeonatos. Conseguimos manter a liderança e ser campeões do Brasileiro, mas o Atlético poupou titulares e ainda jogou aos sábados. Nós jogamos domingo e pesa muito, o corpo não acompanha", comentou.

Mesmo depois da vitória por 2 a 0 no Independência, o Atlético não diminuiu o ritmo nesta quarta e triunfou também no Mineirão, por 1 a 0. No entanto, Marcelo Oliveira nega que seu time tenha exibido menos vontade do que o rival.

"O Cruzeiro jogou recentemente contra o Grêmio e teve uma virada, com garra e determinação. Fez a mesma coisa contra o Santos na Vila Belmiro. O desgaste acaba implicando na mobilidade de quem está mais descansado", completou.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.