Mesmo sem saber se terá seu contrato renovado para a próxima temporada, treinador participa de reuniões onde discute inclusive a contratação de novos reforços

Se no campo as incertezas do Corinthians em relação a uma vaga na Copa Libertadores praticamente não existem mais - basta um empate para que o time garanta a classificação -, nos bastidores do clube o próximo ano ainda é cercado por dúvidas. Sem saber se terá seu contrato renovado, o técnico Mano Menezes garante estar participando do planejamento do time para 2015, principalmente nas tratativas sobre reforços.

Confira a classificação atualizada, artilharia e notícias do Brasileirão

Mano Menezes ainda não sabe se permanecerá no Corinthians durante a temporada de 2015
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Mano Menezes ainda não sabe se permanecerá no Corinthians durante a temporada de 2015

"No Grêmio, em 2007, quando chegou em outubro, conversei com o presidente e disse: ‘Acho que está na hora de eu sair do Grêmio’. A partir dali, muitas vezes ainda fui consultado sobre esse ou aquele jogador para a temporada seguinte. Eu dou minha opinião, independentemente da permanência ou não", declarou o treinador em entrevista à ESPN .

Sem saber se fica sobretudo por causa das eleições do clube, que decidirão o novo presidente apenas no começo de fevereiro do ano que vem, Mano admite que os candidatos podem já ter conversado com outros treinadores.

"A situação do Corinthians hoje permite que um técnico esteja falando com um possível candidato, e isso não é antiético, porque se trata de um novo projeto que está sendo decidido. Seria errado se esse profissional estivesse conversando com o presidente Mario Gobbi", disse.

Mano disse não ter "uma relação de inimizade ou algo do gênero" com o candidato da situação, Roberto de Andrade, e mais uma vez criticou as críticas internas que seu trabalho à frente do Corinthians vem sofrendo.

E mais: Corinthians é absolvido em caso Petros e provoca rivais do Sul

"A rejeição não é política, a rejeição pode acontecer por parte de qualquer pessoa que tem um pensamento diferente, e acho isso absolutamente normal. O que não é normal é ficar discutindo isso publicamente, e, se não tão abertamente, nos bastidores. Isso cria um clima ruim nessa reta final, que é tão importante. A gente obteve uma série de vitórias (quatro), que todos diziam ser fundamental. Se não podem ajudar, por favor não atrapalhem", queixou-se.

"Não é bom ficar num lugar onde a confiança não seja a ideal. Não pode, a cada resultado ruim que aparecer, surgirem questionamentos que não cabem num ambiente de futebol", complementou Mano.

O treinador, que considera ter realizado até aqui 30% de seu trabalho na montagem do time, garante que, caso permaneça no próximo ano, a tendência é uma evolução maior do Corinthians, pois o clube saberia com mais precisão quais setores precisam ser reforçados.

"Não está produzindo um futebol que me agrada totalmente, mas eu tive que tirar o melhor desse grupo, e a gente vai avançando aos poucos, para depois oferecer um futebol mais indiscutível, mais completo", finalizou.

Popularidade

A indefinição política no Corinthians deixa Mano Menezes distante de uma permanência no clube. Com contrato até dezembro, o treinador acha normal se seu nome tiver resistência em alguns setores do Alvinegro, mas pede que os bastidores não interfiram na reta final da equipe neste Campeonato Brasileiro.

"A rejeição não é política. Ela pode acontecer porque as pessoas têm opiniões diferentes sobre cada profissional e acho isso normal. O que não acho normal é discutir isso publicamente ou nos bastidores do futebol, porque cria um ambiente ruim para quem está trabalhando. Fizemos na reta final uma série de vitórias importantíssimas para o ano que vem. Todos dizem que isso era fundamental. Se era tão fundamental e se não podem ajudar, por favor não atrapalhem, porque já me dou por bastante satisfeito", afirmou o treinador à ESPN.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.