Tamanho do texto

Após vitória sobre o Icasa, técnico não poupou críticas à diretoria do clube e revelou atrasos nos pagamentos

A vitória do Paraná Clube por 2 a 1 sobre o Icasa , em Juazeiro do Norte-CE, deu o alívio que o torcedor precisava na reta final da Série B do Campeonato Brasileiro. Mas, por outro lado, serviu para escancarar os problemas do clube e dar perspectivas amargas para 2015. O técnico Ricardinho não poupou críticas à diretoria do Tricolor e revelou atrasos nos pagamentos inconcebíveis para o futebol profissional no país.

"Desde a nossa chegada, procuramos sempre conduzir esse grupo de uma forma positiva, profissional. E a resposta que esse grupo teve foi sempre a melhor possível. E nunca pudemos discutir o compromisso desses jogadores. E nunca se tocou sobre lado financeiro. Mas volto a falar: não dá para o Paraná viver em uma situação como essa. No futebol não dá mais um grupo como esse ficar quatro meses e meio sem receber salário", revelou o treinador, exaltando seu grupo.

Veja como está a classificação do Campeonato Brasileiro da Série B

Prata da casa, o comandante pediu mudança de mentalidade e exaltou seus jogadores, que seguiram trabalhando e jogando, mesmo sem salários, além o torcedor, que a cada ano vê a situação piorar. "Se não houver uma mudança, um compromisso, um projeto para o ano que vem, o Paraná não vai conseguir os resultados. O melhor não vai acontecer. Esses jogadores tiveram compromisso com o clube e com nosso trabalho. E o torcedor tem que saber isso. Nunca vi algo assim no futebol. E para o Paraná pensar em fazer uma boa Série B, tem que rever seus conceitos. Tem que cumprir com seus compromissos", avaliou.

Sobre sua permanência, Ricardinho ainda vai esperar a possível resolução dos problemas ainda pendentes e o planejamento para 2015 pra definir sua situação. Mas, como está, já adiantou que não tem como trabalhar. "Estou falando no final de novembro, para termos tempo, a direção do clube tomar as atitudes. Primeiro precisa se cumprir o compromisso com os profissionais. Da forma que está, não se faz futebol profissional. Precisa de estrutura melhor de trabalho. Se isso não acontecer, não tem como trabalhar. E, para seguir, primeiro tem que cumprir com os compromissos com quem está aqui", concluiu.

Fechando sua campanha, o Paraná vai a Bragança Paulista, onde na sexta-feira encara o Bragantino, no Estádio Nabi Abi Chedid. No sábado, dia 29 de novembro, recebe o América-RN, na Vila Capanema, em Curitiba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.