Cruzeiro não aceitou ter apenas 1871 ingressos para a partida e acredita que o rival desrespeitou os prazos de venda previstos. Jogo desta quarta, no Independência, terá torcida única

Cruzeiro x Atlético-MG
Getty Images
Cruzeiro x Atlético-MG

O Cruzeiro desistiu de ter a sua torcida na primeira final da Copa do Brasil, diante do Atlético-MG , nesta quarta-feira, no estádio Independência. Em comunicado divulgado no site oficial, o clube alega que o rival desrespeitou os prazos previstos pela CBF e não aceita ter apenas 1.871 ingressos, quando julga a ter direito a 2.331 bilhetes.

Leia também: Impasse por ingressos no Horto pode deixar final com torcida única

"O Cruzeiro Esporte Clube não concorda em aceitar uma cota menor da prevista, além de não ter como formalizar uma operação de venda dos ingressos em um prazo tão curto. A diretoria lamenta ainda que a nossa torcida não possa comparecer ao primeiro jogo da final devido às manobras da diretoria do Atlético-MG.", diz um trecho do texto.

Nesta segunda-feira, uma vistoria da Polícia Militar no Independência indicou que o espaço destinado aos visitantes comporta menos do que os 10% da carga total, o que é exigido pelo clube celeste, gerando um impasse entre os rivais. O presidente Gilval de Pinho Tavares já havia adiantado que não abriria mão do número total.

O Cruzeiro ainda não se pronunciou se o segundo jogo, no Mineirão, terá ou não carga de ingressos para a torcida do Atlético-MG.

Confira na íntegra o comunicado emitido pelo Cruzeiro:

"Da Sede Administrativa

O Cruzeiro Esporte Clube enviou no começo da tarde desta terça-feira um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) relatando os motivos que levaram o Clube a desistir de receber a cota oferecida de ingressos a que tinha direito no primeiro jogo da final da Copa do Brasil, marcado para esta quarta-feira, às 22h, no estádio Independência.

Hoje (terça-feira), às 10h50, o Cruzeiro Esporte Clube foi surpreendido com um ofício do Atlético-MG alegando que apenas 1.871 ingressos seriam repassados ao clube visitante, diferente do que manda o Regulamento Geral das Competições, o qual determina um total de 10% da capacidade total do estádio, ou seja, no caso do Independência 2.331 ingressos. O Cruzeiro contesta ainda os prazos estipulados pelo Atlético-MG para que os ingressos pudessem ser comprados pelo clube visitante e revendidos à nossa torcida. Apesar do Estatuto do Torcedor prever um prazo de 72 horas para que essa operação seja realizada, o clube mandante da primeira partida pretendia que a mesma fosse executada apenas a 30 horas do início do jogo.

Diante dos fatos apresentados com o descumprimento das normas do Regulamento Geral da Competição e do Estatuto do Torcedor, o Cruzeiro Esporte Clube não concorda em aceitar uma cota menor da prevista, além de não ter como formalizar uma operação de venda dos ingressos em um prazo tão curto.

A diretoria lamenta ainda que a nossa torcida não possa comparecer ao primeiro jogo da final devido às manobras da diretoria do Atlético-MG."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.