Conselho inusitado do pai norteia carreira do piloto inglês, que volta a Interlagos, palco de seu primeiro título. Carinhoso com o Brasil e fã de Ayrton Senna, ele nunca venceu em Interlagos

Lewis Hamilton comemora no pódio a vitória no GP dos EUA de Fórmula 1
David J. Phillip/AP
Lewis Hamilton comemora no pódio a vitória no GP dos EUA de Fórmula 1

Aconselhar os filhos para que eles tomem as melhores decisões em suas vidas é uma das missões dos pais. Anthony Hamilton deu uma orientação, no mínimo, inusitada a Lewis quando ele começou no kart e a Fórmula 1 ainda não passava de um sonho, guiado por meio do cockpit de Ayrton Senna, o grande ídolo do então garoto inglês. “No dia da corrida, sei desde os 8 anos como devo correr e ainda é o mesmo até hoje. Meu pai sempre disse: ‘Pilote como se tivesse roubado’. E é isso o que eu ainda faço”, revelou Lewis Hamilton no último domingo, após vencer o GP dos Estados Unidos de Fórmula 1, seu décimo triunfo nesta temporada, que o manteve na liderança do Mundial de Pilotos, com 316 pontos, 24 à frente do alemão Nico Rosberg.

Na semana do GP do Brasil, fãs de Senna perdem seu templo de peregrinação

Aos 29 anos, com o conselho do pai na cabeça, Hamilton parece ter aprendido a escapar de seus perseguidores com mais eficiência. A começar pelo equipamento que recebeu da Mercedes em 2014, que proporcionou domínio absoluto perante os rivais e transformou o Mundial de Pilotos num duelo particular com Rosberg, seu companheiro de equipe. Na pista, o inglês está mais maduro. O arrojo tradicional agora é mais refinado. As falhas, que lhe renderam muitas críticas e lhe custaram possíveis outros títulos, ficaram mais raras.

Vitórias caseiras, títulos e loucuras... Fatos e histórias do GP do Brasil de F1

Hamilton foi vice em sua estreia na Fórmula 1, em 2007, e sua tática de guiar como se tivesse roubado se mostrava muito afoita, algo normal para um novato. Ainda assim, tornou-se o mais jovem a liderar o campeonato (22 anos) e o novato com mais pódios consecutivos (nove). No ano seguinte, mesmo com algumas barbeiragens, se sagrou campeão na última etapa, em Interlagos, com um quarto lugar chorado, obtido nas voltas finais. Parecia nascer uma nova dinastia na categoria, mas o inglês derrapou. Até 2011, ele havia se envolvido em 35 incidentes na pista. Instável, falhava quando mais precisava mostrar talento. Entre 2012 e 2013, engatou duas sequências de dez corridas sem vitória, jejum incômodo a um piloto de ponta. Ao abandonar a etapa da Austrália, na abertura da temporada deste ano, o inglês completara o nono GP seguido fora do pódio. 

Veja em imagens os preparativos para o GP do Brasil de Fórmula 1:

Com um carro impecável nas mãos, Lewis Hamilton encontrou seu melhor estilo de pilotagem e deixou a má fase para trás. Com dez vitórias em 17 corridas, só não conseguiu uma liderança mais folgada na tabela por conta da disputa com Rosberg - com quem se chocou na Bélgica e abriu uma "guerra interna" pela preferência da escuderia na disputa pelo título. No GP do Brasil, neste domingo, o inglês tenta ampliar a dianteira para ter uma situação mais confortável em Abu Dhabi, que fecha o Mundial, em 23 de novembro, e terá pontuação dobrada.

Felipe Nasr assina com Sauber e Brasil voltará a ter dois pilotos na F1 em 2015

"Definitivamente, estou em um momento melhor. É isso ou simplesmente o fato de estar mais velho, e ter essas experiências de ganhar e perder. Sinto que entendo a abordagem que preciso", explicou.

Hamilton sacramentou seu único título num GP do Brasil, mas nunca venceu em Interlagos. Em oito participações, sua melhor colocação foi o terceiro lugar em 2009, a única vez em que foi ao pódio. Além da idolatria pelo tricampeão Ayrton Senna, ilustrada há tempos na cor amarela de seu capecete, o inglês diz ter um carinho especial pelo país. Já em São Paulo para a corrida, ele até recebeu um "passaporte" brasileiro e uma camiseta personalizada, presente de humoristas presentes na coletiva de imprensa que concedeu na quarta-feira. “Disse muitas vezes que, crescendo na Inglaterra e querendo ser piloto, nunca pensei que ia ter tanta gente me seguindo, fazendo suas próprias camisetas minhas. Recebo mensagens de uma brasileira todos os dias, de manhã e à noite, me desejando o melhor, e gosto muito disso”, afirmou.

Em Interlagos, os brasileiros poderão ver se a tática "bandida" de Lewis Hamilton realmente vai dar resultado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.