Tamanho do texto

Resultado foi fundamental para os italianos, pois igualou as equipes em número de pontos, com seis somados, na segunda posição do grupo A da Liga dos Campeões

Marchisio consegue escapar da marcação de Affelay, no duelo entre Juventus e Olympiacos
Getty Images
Marchisio consegue escapar da marcação de Affelay, no duelo entre Juventus e Olympiacos

A partida da tarde desta quarta-feira no Juventus Stadium foi cheia de reviravoltas. Após ir para os vestiários com o jogo empatado, a Juventus viu o Olimpiacos ficar à frente do placar, mas conseguiu reverter a desvantagem em menos de cinco minutos, graças aos gols de Llorente e Pogba. Com a vitória por 3 a 2, a Velha Senhora ganhou fôlego para seguir na luta por uma vaga nas oitavas de final da Liga dos Campeões .

Os donos da casa abriram o placar em cobrança de falta magistral de Pirlo, mas viram os gregos empatarem o jogo três minutos depois. Na etapa final, o feitiço virou contra o feiticeiro e, depois de ficar atrás do placar, a equipe bianconera empatou e virou em um intervalo de cinco minutos.

Real Madrid vence, mantém 100% e se classifica na Liga dos Campeões

A vitória sobre o Olympiacos foi fundamental, pois igualou as equipes em número de pontos, com seis somados, fazendo italianos e gregos dividirem a segunda posição do Grupo A. Na liderança, continua o Atlético de Madri, que bateu o Malmo e se isolou na ponta com nove pontos. Na próxima rodada, a Juve visita o Malmo enquanto o Olympiacos enfrenta o Atlético de Madri fora de casa.

Com gol de Talisca, Benfica supera Monaco e segue na briga pela vaga

O jogo

Em terceiro lugar no Grupo A e buscando confirmar uma vaga às fases futuras da Liga dos Campeões, a Juventus optou por pressionar os visitantes desde o início da partida em Turim. Escalada por Massimiliano Allegri no clássico 3-5-2, os donos da casa estavam muito bem postados no meio-campo e, nos primeiros minutos, acuaram totalmente a equipe grega.

Com maior posse de bola e preenchendo o campo de ataque com cinco atletas, a Juve fez uma ‘blitz’ em frente à área do Olympiacos nos primeiros quinze minutos, mas exagerou ao tentar invadir a área adversária na base do toque de bola e, errando o último passe, acabava por desperdiçar os lances de ataque. O primeiro chute ao gol foi dado só aos 15 minutos, em tentativa de Marchisio de fora da área, que fez o goleiro Roberto trabalhar.

Se o goleiro do Olympiacos trabalhou no chute do camisa 8, não teve tempo de fazer nada para deter o chute de Pirlo, cinco minutos depois. Aos 20, o meia italiano cobrou falta com precisão da entrada da área e viu a bola morrer mansa no ângulo para abrir o placar em prol dos donos da casa.

Porém, os torcedores que lotaram as arquibancadas do Juventus Stadium não tiveram tempo suficiente para comemorar. Aos 23, após escanteio “provocado” por Buffon – que se precipitou ao sair do gol e não conseguiu agarrar a bola, deixando-a escapar pela linha de fundo –, Botía se antecipou a Vidal e cabeceou no canto direito, eliminando qualquer chance de defesa por parte do camisa 1.

Com a partida em igualdade, ambos os times se abriram e tentaram ficar em vantagem no placar. A Juventus, motivada por jogar em casa, avançou os jogadores de meio-campo para pressionar o adversário no campo de ataque, mas tanta gana e vontade acabou em distração. Em três momentos, o Olympiacos se aproveitou da desorganização italiana para armar contra-ataque e, por pouco, não virar a partida.Com muito volume, mas pouca precisão, os donos da casa foram ao intervalo com o 1 a 1 no placar.

No início da segunda etapa, a Juventus continuou insistindo em pressionar o Olympiacos no campo de defesa para tentar obter a vantagem de forma rápida. Mas, ao contrário do que aconteceu no primeiro tempo, quando os gregos sucumbiram à pressão e se portaram como expectadores, os comandados de Míchel não se afobaram com a marcação adiantada e seguiram trocando passes, deixando o jogo equilibrado e disputado no setor de meio-campo.

Na primeira oportunidade que a Juventus conseguiu superar a marcação grega e chegar ao campo de ataque com liberdade, Tévez exagerou no preciosismo e, em vez de finalizar no gol, abriu a jogada para Vidal, que não aproveitou o ataque em três contra três e se complicou ao fazer o cruzamento, desperdiçando o lance ofensivo e uma clara chance de gol.

A chance desperdiçada custou caro. No ataque seguinte do time grego, novamente em lance de bola parada, Maniatis aproveitou a sobra da zaga e cruzou para ver N’Dinga subir mais alto do que a zaga e cabecear no ângulo de Buffon, colocando os gregos em vantagem. Porém, à exemplo que aconteceu na primeira etapa, a Juve buscou o empate quatro minutos depois.

O espanhol Llorente, que não estava nem há dez minutos em campo, após substituir Morata no comando de ataque, conferiu – meio no susto – o cruzamento de Lichtsteiner e contou com o vacilo de Roberto para ver a bola bater na trave, desviar no goleiro e morrer no fundo das redes, diminuindo a agonia dos mandantes e igualando o marcador, que não se manteve assim por muito tempo.

No minuto seguinte, após a saída de bola dada pelos gregos, os donos da casa engataram um ataque pela esquerda, Llorente dominou na ponta da área e passou para Pogba, que ficou livre para definir rasteiro no canto de Roberto, virando o jogo cinco minutos depois de tomar a virada e colocando a Juve em vantagem – fundamental para permanecer na luta pela classificação.

Após passar de vencedor a derrotado em cinco minutos, o Olympiacos não teve pique para buscar o empate. Apesar de Míchel gastar todas as substituições na tentativa de dar sangue novo à equipe, Allegri soube orientar a equipe para se manter fechava no campo de defesa e evitar os espaços. O quadro do primeiro tempo se inverteu: neste momento, era a Juventus que tentava roubar a bola para puxar o contragolpe e matar o jogo.

A entrada do atacante espanhol Llorente foi determinante para a mudança no estilo de jogo da Juventus, já que se apresentou como mais uma opção de passe no setor ofensivo, além de ser outra escapatória para manter a bola longe da área de Buffon nos últimos minutos.

No último lance da partida, Tévez recebeu na entrada da área, fintou a marcação de dois adversários e sofreu pênalti. Na cobrança, Vidal levou a pior à frente de Roberto e perdeu a chance de aumentara a vantagem italiana, sobretudo, com relação ao saldo de gols – que é critério de desempate em termos de classificação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.