Candidato à presidência do Santos diz não ter vergonha de ser o candidato de Marcelo Teixeira e defende Conselho de Administração em substituição ao Comitê de Gestão

Modesto Roma é candidato à presidência do Santos pela chapa Santos Gigante
Reprodução
Modesto Roma é candidato à presidência do Santos pela chapa Santos Gigante

Um dos poucos nomes que tem uma base consolidada para compor o Conselho Deliberativo, Modesto Roma foi o escolhido pela chapa Santos Gigante para concorrer o pleito do Santos, dia 6 de dezembro. Filho do ex-jogador de nome homônimo, Modesto foi o responsável por administrar o futebol feminino, comandado dentro de campo na época por Marta e Cristiane, e agora está engajado em assumir a direção executiva do clube. Ao iG , ele nega ser marionete do ex-presidente Marcelo Teixeira e promete iniciar, se eleito, a reestruturação do clube. Recentemente, ele chegou a ensaiar uma união com o candidato Fernando Silva, mas recuou após negativa da base do grupo. Veja na íntegra.

Na primeira série que realizamos sobre a política do Santos, a chapa de vocês afirmou que o "Santos não aguenta mais um gestão como essa". De que maneira vocês analisam a atual administração?
São grandes santistas, mas não conhecem do futebol. Em 2009, eu disse que eles nasceram Santos e vão morrer Santos, mas que nunca viveram o clube. A prova de que eu estava certo ai está. Veja como eles receberam o clube com, sem pensar muito, Neymar, Ganso, André, Wesley, Edu Dracena, Léo, entre outros e veja como estão entregando. Qual o legado que eles deixam? São ladrões, mal intencionados? Não, penso que não. Apenas cometeram mais erros do que acertaram.

Qual é a sua opinião a respeito do Comitê de Gestão? O que você pretende fazer com ele? Vai mudar o estatuto?
Um eixo importante do nosso projeto é fazer uma reestruturação do clube.
Neste tema a palavra de ordem é experiência. Vamos propor uma reestruturação organizacional, a fim de dar mais agilidade e mais qualidade à gestão. Contamos com profissionais com vivência no clube que irão apresentar para aprovação dos conselheiros e depois aos sócios um projeto de gestão e de reforma estatutária séria e competente. Veja, quando um grupo de nove pessoas precisa aprovar compra de jogador, prego, papel e tudo mais no clube não tem como ter agilidade. Queremos sim formar um Conselho de Administração que vai definir as políticas de atuação do clube em seus setores. Não é um conselho que vai decidir gestão. Quem fará isso serão os profissionais contratados para tanto. Esse conselho vai definir políticas de ações e será dirigido pelo presidente do clube. O regime precisa ser presidencialista. O associado precisa fulanizar a culpa e os méritos. Não dá pra ser um clubinho para os envolvidos dizerem que não têm responsabilidade sobre uma decisão porque votou diferente. É se esconder atrás das costas dos outros. Isso nunca fiz, e nunca concordei.

O voto a distância foi barrado neste pleito porque os próprios associados não confiam na base de dados. Se eleito, o que você fará para garantir a segurança destes dados? E permanecerá com a administradora CSU?
Quanto ao voto a distância, sou favorável desde que tenhamos um cadastro de sócios confiável e um sistema seguro. Acho que caminhamos para isso no futuro. Quanto ao cadastro ele realmente está fragilizado. Vamos promover um sério e responsável recadastramento e trazer de volta para o clube à administração de sua base de sócios. Durante os cinco anos em que estive como supervisor administrativo fui o responsável por este cadastro e ele era seguro e bem administrado dentro do clube. A história já mostrou que não é seguro vender esse cadastro como fez a atual gestão. O Clube dispõe de tecnologia e competência para gerir seus sócios e os recursos advindos deles.

Não estou sendo marionete. Eu nem aceitaria uma posição de laranja"

Como candidato indicado de Marcelo Teixeira, você governará ao lado dele? Ou fará valer a função de presidente?
Eu não estou sendo marionete de ninguém e já dei provas disso. O Marcelo Teixeira é um grande dirigente, para tirá-lo do Santos eles usaram a técnica de endemonizar os ídolos, a mesma técnica que fizeram com Neymar e Ganso. Ele teve erros e acertos. Não tenho vergonha nenhuma de ser conhecido como candidato do Marcelo Teixeira. Só estou aqui porque ele me pediu. Agora, ele vai mandar? Não. O presidente sou eu. Ele vai assumir o meu lugar em 14 de novembro? Não. E nem é pretensão dele. Temos uma relação de 40 anos. Relação de respeito entre a família Teixeira e Roma. O Marcelo não me convidaria e nem eu aceitaria para uma posição de 'laranja', de marionete. Nós respeitamos o Santos e temos história e tradição. Tanto os Roma como os Teixeira. Algumas pessoas acham normal colocar o presidente que não manda. Fizeram isso e deu no que deu. Criaram esse Comitê de Gestão para isso, onde o presidente não tem nenhum poder. Isso é uma coisa que nós vamos mudar. O Santos não pode ter nove amadores empacando decisões. Tem que ter profissionais de peso. Esse comitê é uma máscara para defender seus investidores.

Na última semana, foi anunciada a sua união com Fernando Silva, que durou apenas um dia. Você acha que perde votos por causa desse episódio? E o Marcelo Teixeira ter articulado primeiramente esta união lhe incomodou?
Eu gostaria de saber quem anunciou essa união, pois eu não fui. O que aconteceu foi que iniciamos um entendimento, só que chega um certo momento que o entendimento não avança, pois há posições antagônicas que não são de agora. É histórico. Fazemos política escutando as bases. Buscar coligações é muito legítimo neste cenário. A questão não está em cargos. Por mais que queiram vender algo diferente, foi questão de ideologia. Quanto ao Marcelo Teixeira ter participado das negociações é algo natural porque ele é um grande santista e um decisivo membro do nosso grupo. O Marcelo lançou meu nome, mas não é o dono da candidatura. Ela é da nossa base. Ele jamais ia fechar um acordo em meu nome. É um homem muito coerente, não teria essa postura. Agora querem vender isso para desgastar a mim e ao Marcelo. Ele e o Celso Jatene não começaram a tratar disso para gerar tumulto, mas para gerar uma unidade em prol do clube. Porém, como diz um cronista que é conselheiro do clube, não é possível misturar água e azeite.

Você inovou e foi mentor das Sereias da Vila, que tinha Cristiane e Marta como astros. Nesta mesma época, Bebel era jogadora e é público o problema que teve com as drogas durante o período que lá estava. Ela saiu do clube e disse que o Santos foi negligente pois sabia do caso e não ofereceu ajuda. Você tinha o conhecimento disso?
Tenho conhecimento sim. A Bebel é uma grande jogadora. Veio para o clube na atual gestão, em 2010, quando não estávamos mais participando da administração. Acho que faltou sensibilidade em tratar essa questão.

Caso o senhor seja eleito, terá de administrar o clube mergulhado em dívidas, estima-se o valor de R$ 400 milhões em passivo e R$ 80 milhões em ativo. Como conseguir montar um time forte sem comprometer receita de gestões futuras, como a antecipação de receitas?
Nossa proposta tem cinco eixos básicos e sete pilares. Caso o internauta queira se inteirar mais, há um post com todas as nossas ideias no meu blog. O primeiro eixo é o gerenciamento da crise financeira do clube. E a palavra de ordem é a seriedade. Outro eixo será a reestruturação do clube, na área administrativa e do seu estatuto social. A palavra de ordem nesse eixo é a experiência. Temos como terceiro ponto a administração. Não podemos gastar mais do que arrecadamos. A palavra de ordem aqui será a transparência. Outro eixo será o Marketing. Queremos inovar na busca de receitas, e melhorar os ganhos alternativos do clube. Aqui a palavra de ordem será a criatividade. O último eixo e o mais importante é o futebol. E a palavra e ordem nesse eixo será alma. A alma do torcedor santista. Mas voltando à dívida, vamos enfrentá-la com a criação um gabinete de renegociação, formado por profissionais de mercado, que vai alongar prazos dos quase R$ 160 milhões de passivo de curto prazo que o clube terá que pagar em 2015. Não dá para brincar com amadores pensando o futuro do clube. Vamos também administrar o clube dentro de sua realidade. Hoje para cada R$ 100 gastos no Santos, o clube dispõe apenas de R$17 para pagar os débitos. Vamos mudar esse quadro. Quanto ao time, nosso futebol terá a alma do torcedor santista. Queremos montar times que representem o futebol que o torcedor santista gosta de ver, ofensivo, como sempre foi na história do clube. Investimentos serão feitos dentro da realidade de momento do clube. Porém, nunca vamos deixar de priorizar o futebol e o bom espetáculo, que são o negócio do Santos. Ninguém vai aos estádios ver um time ruim, por mais apaixonado que seja. Queremos montar uma equipe competitiva, com revelações da nossa base e jogadores que darão sustentação a eles. Além disso, queremos construir uma escola de gestores e de treinadores do Santos. Não vamos ser reféns de treinadores donos do clube, que aparecem na Vila impondo seu jeito de jogar. Treinador o Santos faz em casa. Mas, não dá para pegarmos um bom treinador da base, como o Márcio Fernandes, o Narciso e o Claudinei, colocar no time profissional e depois dispensar. Vamos capacitar nossos treinadores, levá-los para intercâmbios para que no dia que for preciso eles estejam prontos para repetir o sucesso de Luis Alonso, o Lula, que dirigiu o Santos por 12 anos em suas principais conquistas. E era treinador da base.

Modesto Roma lançou candidatura e é apoiado por Marcelo Teixeira
Reprodução
Modesto Roma lançou candidatura e é apoiado por Marcelo Teixeira

Falar do time, é impossível não falar de Leandro Damião. Qual é a análise o senhor faz dessa contratação e o que fará com ele? Como cuidará da questão da dívida que precisa ser paga ao grupo investidor?
O Leandro Damião é um ativo do Santos FC e sobre ativos do Santos eu não faço análises, pois qualquer coisa que eu diga pode valorizar ou desvalorizar o atleta. Quanto à dívida ela será negociada com o investidor.

A sua chapa fala também que a negociação do Neymar foi a "gota d'água". Por que? E vocês pretendem alguma ação quanto isso?
Realmente é uma negociação nebulosa. Quem tem que explicar a negociação do Neymar é o Luis Álvaro, o Odílio Rodrigues e o Fernando Silva, que era o supervisor de futebol quando começou essa negociação. Foram eles que fizeram a negociação. O primeiro até levantou da cama, doente e afastado que estava, e foi a Barcelona concluir o negócio. É fácil jogar para os outros, como fizeram com o Neymar, as suas responsabilidades. Sabe, demonizaram o Marcelo Teixeira porque ele colocou dinheiro no clube, deu avais que não foram honrados pela atual gestão e agora recebe de volta, com descontos, sem juros nem correção. Diziam que o "4% do PIB apaixonado pelo Peixe" não iria fazer isso. Que levaria sua capacidade administrativa de negócios ao Santos. Esse "4% do PIB", intitulado grupo Guia e depois Teisa, comprou 5% do Neymar e se colocou em grande parte no Conselho de Gestão. Depois da venda do jogador saíram todos. E agora já anunciaram a venda de Arouca, Mena e Cicinho. Onde está o amor ao Santos? É claro que vamos buscar todos os direitos do Santos FC que não foram respeitados.

Muito se fala na modernização da Vila Belmiro e utilização do Pacaembu. Qual é o seu projeto sobre essa questão?
Sabe, lá em casa, quando eu era um menino, eu e meus irmãos dizíamos que a Vila Belmiro era nossa casa. Meu pai levava sempre todos pra lá, pois ia dirigir o clube. Lembro quando pedi para entrar de sócio em 1958 para ter uma cadeira com meu nome nas sociais do estádio. Enfim, amamos a Vila e ela é a casa do Santos. Nossa ideia é valorizar a Vila, mantendo como um estádio, um verdadeiro templo do futebol de alma do Peixe. Vamos continuar mandando jogos em nossa casa. Sempre que for possível e estrategicamente importante para os negócios dentro e fora de campo do clube nos apresentaremos na Vila Belmiro. Sabe, o Santos perdeu o bonde da história para construir uma nova arena que foi a Copa do Mundo. Ofereceram de graça a Vila e o CT e não colocaram um tijolo em lugar algum. Nova arena só sai se conseguirmos bons parceiros e se acharmos uma área interessante na Baixada Santista ou em São Paulo. Agora, o Santos tem que jogar em todos os lugares. Vamos jogar sempre onde os santistas estiverem, seja no Pacaembu, Morumbi, Maracanã, estádios onde estamos acostumados a jogar e que foram palcos de alguns dos nossos principais títulos, como também na Arena Pantanal e em outros novos estádios feitos para a Copa. Porém, sempre mantendo os direitos dos sócios nesses estádios, como se eles estivessem na Vila Belmiro. Tem que ser feita uma coisa competente. Fazer um estudo de mercado. Onde há a carência do torcedor ver jogos do Santos? Onde estão os torcedores do Santos? E ter um espetáculo bom. Ninguém vai ver jogador que mata a bola de canela e chuta com a trava da chuteira. Vai ver se tiver espetáculo. Torcedor não dá esmola para o clube, não. O segredo é fazer um futebol competente. Pensamos que onde estiverem os santistas, lá estará o Santos. Você perguntou se o Santos deve assumir o Pacaembu. Mas eu respondo: Porque assumir um estádio tombado pelo patrimônio histórico, onde não posso fazer sequer um banheiro, para administrar? É melhor alugarmos o Pacaembu, o Morumbi e outros estádios sempre que optarmos por jogar na Capital.

Quem tem de explicar a negociação do Neymar é o Luís Álvaro, Odílio e Fernando Silva", rebate

Em um do eixos do seu programa de governo, na ponto administração, você afirma que no clube a palavra a ser destaca é a "transparência". De que maneira você pretende ser transparente? Você divulgará os números dos recebíveis e gastos no site do clube? Consultará associados para tomadas de decisões, como mudança do estatuto?
A transparência será nossa meta de administração. Vamos abolir no Jurídico do clube contratos com cláusulas de confidencialidade. No Santos FC, após nossa eleição, será tudo claro e transparente. Vamos também criar um Portal da Transparência para o associado acompanhar isso de perto, algo similar ao que acontece com contas públicas. Agora mudança no estatuto não é algo que compete ao presidente. Vamos apresentar uma proposta de mudança estatutária que será debatida com o Conselho Deliberativo e depois votado pelos sócios em Assembleia Geral como manda o atual estatuto do clube. Ao contrário dos que ai estão, vamos ser fiéis ao estatuto aprovado por nosso associado.

Para a base, você fala na ampliação do CT Meninos da Vila e construção de campos. Mas e o alojamento, também está nos planos? Como viabilizará essas obras?
Sim pretendemos dotar o CT Meninos da Vila de melhor estrutura e a médio prazo até mesmo construir novos CTs e alojamentos para a base. Queremos também construir uma escola, para que nossos atletas possam estudar e se formar bons cidadãos e bons atletas. Hoje, o Governo Federal tem leis de incentivo ao esporte, a educação e a cultura que podem nos ajudar a realizar essas obras, dando incentivos financeiros a parceiros que poderão associar sua marca ao Santos FC. Temos contatos com várias empresas especialistas nesses projetos e captações que vão nos auxiliar a tirar essas ideias do papel e tornar realidade. Além disso pretendemos fazer parcerias com clubes de várzea a fim de construir minis-CTs, onde o Santos FC e suas categorias de base poderiam treinar em gramados mantidos pelo clube.

No futebol, a proposta é reestruturar o Departamento Médico. Hoje ele não funciona?
Essa é uma de nossas propostas para o futebol. Buscamos concretizar uma parceria com uma universidade referência em Medicina Esportiva para reformular o setor. Vamos melhorar as condições de trabalho para os profissionais que atuam no clube com Medicina, Fisioterapia, Psicologia, Nutrição, entre outros. Vamos também melhor dotar de equipamentos o Centro de Excelência em Preparação e Recuperação de Atletas de Futebol (Cepraf) para que ele tenha o brilho e atenção que teve outrora e que também seja fonte de recurso ao clube. Vamos também criar o departamento de inteligência e o departamento de captação de atletas que serão inovadores no futebol brasileiro, não na ideia, mas na sua forma de agir. Pretendemos no Departamento de Inteligência dotar nossa equipe de profissionais de futebol do melhor que a estatística e a tecnologia podem fornecer de informações de atletas, adversários, arbitragem, enfim tudo o que envolve o nosso espetáculo. Já o setor e Captação de Atletas será uma grande rede de olheiros espalhado pelo mundo, composta por ex-atletas do Peixe que indicarão jogadores que se destacam para fazer testes em nossas equipes e se eles forem aprovados, esses olheiros receberão um incentivo do clube que vamos definir. Somos santistas de raiz e sabemos construir um futebol com a alma do torcedor santista.

Por fim, qual o recado que você pode deixar para o torcedor santista?
O associado do Santos me conhece. Em 2004, quando assumi a supervisão administrativa do clube, convocado pelo Marcelo Teixeira, implantamos benefícios aos sócios. Vejamos: graças às nossas ações, implantamos o valor de meio ingresso em jogos de mando do Santos. Fizemos o projeto Vila Digital, que possibilitou a implantação das carteiras e catracas inteligentes, fazendo com que acabasse a venda antecipada de ingressos aos sócios. Os mesmos acionavam as catracas com as carteiras e depois, só no fim do mês, recebiam o boleto para pagar o valor do ingresso. Foi ação nossa o encadeiramento de todas as áreas destinadas aos sócios do clube. Também por iniciativa nossa, o sócio contribuinte do Santos passou a ocupar também o retão do estádio e não mais somente a arquibancada ao lado das sociais. Isso só para ficar nas ações direcionadas aos sócios. Então temos história e queremos dignificar ainda mais o sócio do clube com ações verdadeiras como estas. Queremos também devolver ao torcedor o orgulho de ser santista. De ver seu time ganhando ou perdendo jogos, mas jogando o futebol espetáculo, que sempre foi nossa alma. Somos santistas de raiz. E por termos essa história no clube, que nem todos podem ter, entendemos que o Santos merece muito mais. Convido os associados a nos dar esse voto de confiança e, através dos mecanismos de transparência e gestão que vamos implementar, que venham gerir o clube conosco. Vamos juntos construir um Santos Gigante!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.