Julgamento no dia 6 de novembro definirá se o clube será ou não incluído no Ato Trabalhista. Se a decisão for favorável, serão desbloqueadas boa parte das receitas penhoradas

Mergulhado em uma séria crise financeira, o Botafogo aguarda nos próximos dias uma decisão importante que poder amenizar o problema. No dia 6 de novembro, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) do Rio de Janeiro definirá se o clube será ou não incluído no Ato Trabalhista. Se a decisão for favorável, o Botafogo conseguirá desbloquear boa parte de suas receitas penhoradas.

Leia mais: Disputa eleitoral no Botafogo está aquecida, e alianças ainda podem surgir

Com o dinheiro liberado, a diretoria poderá enfim colocar em dia os salários dos jogadores, assim como direitos de imagem e a premiação por alguns objetivos alcançados, como a classificação para a Libertadores de 2013.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Nos bastidores, porém, há quem torça contra a decisão, por temer que o dinheiro na mão do presidente Maurício Assumpção seja usado de maneira equivocada e comprometa o trabalho da próxima gestão. A eleição será em 25 de novembro, e o novo presidente já assume no dia seguinte.

Veja também: Clubes reduzem gastos, mas pagam em média R$ 325 mil a técnicos

Mas Assumpção tem um trunfo, já que tem conseguido pagar outra importante dívida: o Refis da Crise, que envolve o pagamento à União de dívidas tributárias. Até o momento o Botafogo pagou pouco mais de R$ 10 milhões em três parcelas, e até o fim do ano o clube ainda vai ter que desembolsar mais R$ 7 milhões. O retorno ao Ato Trabalhista também ajudaria a obter dinheiro para cumprir esse compromisso.

Torcida colabora com o clube

Os torcedores que aderiram ao programa "Botafogo sem Dívidas" pagaram atpe agora R$ 145,5 mil de um total de mais de R$ 129 milhões. O projeto, realizado por torcedores de outros clubes, é considerado transparente, pois o dinheiro dos torcedores vai diretamente para os cofres da Receita Federal, sem passar pelas mãos dos dirigentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.