Tamanho do texto

Times gaúchos se declararam como partes interessadas do julgamento que ocorre nesta segunda-feira no STJD

Internacional e Grêmio selarão uma trégua na rivalidade histórica nesta segunda-feira. Os dois times gaúchos decidiram se declarar como parte interessada no julgamento sobre a suposta escalação irregular do meio-campista Petros, do Corinthians . O caso será julgado pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça) nesta segunda, e caso seja punido o time paulista pode perder pontos e se afastar do G-4 do Campeonato Brasileiro.

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Petros terá seu caso julgado no STJD nesta segunda-feira: Inter e Grêmio estão de olho
Agência Corinthians
Petros terá seu caso julgado no STJD nesta segunda-feira: Inter e Grêmio estão de olho

"O dia em que o Inter e o Grêmio afinarem suas forças para defenderem seus interesses, pela distância que têm da CBF, o futebol gaúcho vai ter muito mais representatividade, mais força, muito mais condições de que seus interesses sejam ouvidos. Com esse objetivo, foi isso que nós fizemos", disse o vice de futebol do Inter, Marcelo Medeiros, após a vitória colorada sobre o Bahia, no Beira-Rio.

Se condenado, o Corinthians perderá quatro pontos e poderá ser obrigado a pagar multa de R$ 100 mil. A Federação Paulista de Futebol e a CBF também estão envolvidas no processo, e correm o risco de ser multadas em até R$ 200 mil.

Leia também: Del Nero admite equívoco em contrato de Petros e isenta Corinthians

Se o Corinthians for absolvido, Inter e Grêmio poderão recorrer da decisão por terem se declarado parte interessada do processo. As três equipes brigam por uma posição no G4 do Brasileirão, que pode garantir vaga na Copa Libertadores de 2015. Inter e Corinthians estão com 53 pontos, enquanto o Grêmio tem 51. 

A suposta irregularidade foi apontada pelo Departamento de Registro e Transferência da CBF. O último contrato firmado entre Petros e Corinthians data do dia 2 de agosto (sábado, quando não há expediente na CBF), mas foi registrado no dia 1º. No entendimento de alguns especialistas, o jogador não poderia ter entrado em campo no dia 3, contra o Coritiba, uma vez que seu contrato só passou a valer no primeiro dia útil depois da assinatura - ou seja, dia 4, segunda-feira.

Na semana passada, o presidente da Federação Paulista, Marco Polo Del Nero, assumiu que o erro foi cometido por uma funcionária da entidade e isentou o Corinthians de culpa.

*com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.