"Ficam ameaçando... Se querem fazer, que façam! A arbitragem está uma vergonha", disse Wilfredo Brillinger após a derrota por 1 a 0 para o Grêmio, na noite desta quarta-feira

Irritado com a atuação da arbitragem na derrota por 1 a 0 para o Grêmio , na noite desta quarta-feira, o presidente do Figueirense , Wilfredo Brillinger, ironizou as declarações do presidente da Anaf (Associação Nacional de Árbitros de Futebol), que recentemente ameaçou convocar uma greve por causa das críticas recebidas pela classe.

"Se eles estão ameaçando a greve, que façam a greve! Ficam ameaçando... Se querem fazer, que façam! A arbitragem está uma vergonha", disse Wilfredo Brillinger, em entrevista à rádio CBN/Diário.

Leia mais: Goiás é punido e perde três mandos. Figueirense recebe pena mínima

Além do dirigente, os jogadores e o técnico Argel deixaram a Arena Grêmio reclamando do pênalti marcado para o Grêmio, no primeiro tempo, por um toque de mão de Nirley em jogada com Zé Roberto. O time alvinegro também reclamou de um possível pênalti sobre Everaldo, no fim do jogo, que não foi marcado pelo trio de arbitragem encabeçado pelo paulista Vinícius Furlan.

"É uma vergonha, o Grêmio não precisa disso para ganhar do Figueirense, a arbitragem está uma lástima. Infelizmente as coisas acontecem (os erros) e nada muda, nada acontece. O Grêmio não precisava disso, é muito difícil, foi uma vergonha", disse Brillinger.

Apesar da revolta, o presidente do Figueira garantiu que o clube não acionará a CBF. "Já fizemos várias representações, não adiantada nada, a gente faz e os erros continuam. Hoje (quarta) mesmo foi uma coisa vergonhosa, isso desestabiliza o grupo todo, os jogadores perdem a cabeça, é um absurdo", afirmou.

A indignação dos jogadores do Figueirense se evidenciou aos 44 minutos do segundo tempo, quando Rivaldo deu carrinho violento em Barcos e foi expulso direto. Ao deixar o gramado, o volante sugeriu, por meio de um gesto com as mãos, que a arbitragem estaria "roubando" o time catarinense.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.