Julgamento invalida decisão do Conselho Deliberativo do clube que havia impedido a extensão do mandato

Após julgamento ocorrido na tarde desta terça-feira, na sessão da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, tomou- se a decisão, por unanimidade, de que será mantida a liminar que anulou a decisão do Conselho Deliberativo do Vasco , que votou contra a extensão dos mandatos do clube. Por isso, o presidente Roberto Dinamite e os outros membros da atual gestão permanecem em seus cargos até 11 de novembro, data da eleição.

Confira classificação, tabela de jogos e artilharia da Série B do Campeonato Brasileiro

O desembargador Camilo Ruliere, relator do caso, justificou seu voto pelos erros estatuários na decisão do Conselho Deliberativo e, portanto, manteve a decisão do desembargador Fábio Dutra, durante um plantão judiciário, em agosto. Os auditores Custódio Tostes e Maldonado Carvalho acompanharam a decisão.

Representantes de três grupos políticos que concorrem à eleição presidencial no Vasco estiveram presentes na sessão. O vice do Conselho Deliberativo, Roberto Monteiro, da chapa "Identidade Vasco", foi o único candidato presente. Havia também integrantes da "Volta Vasco, Volta Eurico", de Eurico Miranda, e da "Sempre Vasco", de Julio Brant. O advogado do Cruz-maltino, Marcelo Macedo, e o benemérito Silvio Godoi, um dos membros da diretoria da transição, foram outros que acompanharam o julgamento.

"Repudiamos a decisão, porque foi baseada na extinção do mandato do Conselho Deliberativo. O que ocorre é que, por um regimento interno, decidiu-se que teria um intervalo de duas horas para eleger a Junta. Além disso, ele considerou apenas a opinião do agravante e nada dos agravados", explicou Silvio Godoi.

A liminar levou cerca de dois meses para ser julgada em definitivo, já que foi obtida em agosto pelo conselheiro Leonardo Gonçalves e pelo advogado Alan Belaciano, da chapa "Sempre Vasco", em plantão judiciário. A partir daí, ficou na responsabilidade do desembargador Camilo Ruliere, que levou a decisão para a 1ª Câmara Cível após solicitar que todas as partes se manifestassem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.