Para o treinador, os quatro gols do atacante contra o Japão foram resultado da agilidade da seleção brasileira

Dunga durante a vitória do Brasil sobre o Japão
Getty Images
Dunga durante a vitória do Brasil sobre o Japão

A sonora goleada por 4 a 0 sobre o Japão coroa as boas atuações da Seleção Brasileira, em recuperação após a péssima Copa do Mundo. Sob comando de Dunga, o escrete canarinho venceu quatro amistosos sem tomar um gol sequer e conseguiu ter em Neymar um craque mais do que decisivo.

"Quando chegamos à Seleção, falamos que todos iriam contribuir ainda mais para o crescimento do Neymar e está acontecendo", exalta o técnico. "Ele assumiu bem a condição de ser capitão, mas o mais importante é que ele se diverte ao jogar futebol, não se contenta com o resultado", elogia, celebrando ainda o "entusiasmo" de seu camisa 10.

Neymar ultrapassa Bebeto e se torna o 5º maior artilheiro da história da seleção

Os quatro gols do craque foram resultado da agilidade da seleção brasileira. Neymar e toda a equipe deslanchou no segundo tempo, quando Dunga deu maior velocidade ao meio ao promover Everton Ribeiro e Philippe Coutinho. O técnico, que garante ter "estudado muito" e tomado vários cafés com o lendário Arrigo Sacchi, entende a flexibilidade como essencial para o desempenho do time.

"Começamos com duas linhas de quatro e depois trocamos para dois volantes e três meias", explica Dunga. "Depois modificamos novamente para jogar com um losango, e no final jogamos sem atacante. Todos no meio-campo e com a bola, com movimentação e só um volante (Souza), tendo Everton e Kaká nas pontas e Coutinho à frente."

Confira as fotos de Brasil 4 x 0 Japão:

Apesar de as possibilidades no setor serem ideia do técnico desde o início, as trocas foram potencializadas pelas condições físicas de Neymar, que pegou resfriado após o Superclássico das Américas e chegou a ser dúvida. Dunga pensou na equipe flexível sem o craque, mas acabou podendo testá-la com o camisa 10 em campo. O resultado foi a goleada.

"Como ele vinha jogando pelo lado esquerdo, pelo meio e também atacando, deixamos ele mais livre só para atacar, mais perto do gol, com menor desgaste", explica Dunga, revelando a estratégia para poupar Neymar e confundir a defesa japonesa.

Seleção 'dinâmica' supera adversidades

As condições eram adversas no amistoso contra o Japão, mas a Seleção Brasileira se superou para superar poluição, gramado e calor para golear por 4 a 0. O triunfo elástico é fruto da agilidade do meio-campo canarinho, que confundiu o adversário a ponto de proporcionar quatro gols a Neymar.

"Com a poluição, temos que jogar. O campo ruim já está aí, temos que jogar", contenta-se Dunga, sem lançar mão de desculpas. "Mas seria bom se tivéssemos um campo melhor, pelo espetáculo para às pessoas que vêm assistir", completa.

Mas nem o ar de Pequim, uma das cidades mais poluídas do mundo, nem a areia do gramado doStadium of Singaporecontiveram o escrete canarinho. Dias após vencer o Superclássico das Américas sobre a Argentina por 2 a 0, a Seleção teve atuação ainda melhor para dobrar o placar contra o Japão. Segundo o cara do jogo, a evolução é constante pela ousadia.

"Nossa equipe tem jogadores dinâmicos, com muita habilidade", lembra Neymar. "Então utilizamos isso no decorrer da partida. Tivemos muitas oportunidades de gols e poderia ser até mais, mas a equipe inteira está de parabéns", celebra.

O discurso ainda é engrossado pelo companheiro Robinho, que entrou aos 20 do segundo tempo para aumentar ainda mais a velocidade brasileira. "Estamos melhorando. Claro que o que a gente quer é a Copa do Mundo, ainda têm muitas competições importantes pela frente, mas estamos no caminho certo."

Ainda que esteja embalada, a caminhada da equipe verde e amarela é longa. No próximo mês, os dois compromissos contra Turquia e Áustria fecham a sequência de amistosos deste segundo semestre. Depois, a equipe só entra em campo em 2015 na reta final de preparação para a Copa América.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.