Tamanho do texto

Em coletiva em apoio a Fernando Silva, ex-presidente critica valor gasto pelo Santos para contratar o atacante e classifica negócio como "esquisito"

Presidenciável Fernando Silva tem o apoio do ex-presidente de Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro
Divulgação
Presidenciável Fernando Silva tem o apoio do ex-presidente de Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro

Cinco meses depois de renunciar à presidência do Santos , Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro está de volta à política do clube. Apesar de refutar qualquer possibilidade de ocupar novo cargo diretivo, o ex-presidente será o "consultor" de Fernando Silva, candidato pela chapa Mar Branco. E, em entrevista coletiva no início da tarde desta quarta-feira, não poupou críticas à atual administração de Odílio Rodrigues e à contratação mais cara do elenco: Leandro Damião.

Leia também:  Presidente diz que Santos tem direito de vender Damião "a qualquer momento"

"Um centroavante que não faz gol, não pula a dez centímetros do solo... Damião começou bem no Internacional, mas no ano seguinte ficou mais tempo na enfermaria do que em campo. E no ano passado era banco. Comprar um jogador desses por R$ 42 milhões não faz sentido. A ideia do fundo maltês era colocá-lo em uma vitrine como o Santos, um dos poucos com prestígio internacional. Mas é você apostar em um pangaré que não vai ganhar um prêmio nunca", disse Luis Álvaro.

Relembre as contratações mais caras do futebol brasileiro:

O fundo de investimentos maltês Doyen Sports emprestou 18 milhões de euros (cerca de R$ 57,5 milhões) ao Santos para tirar Leandro Damião do Internacional. A empresa, porém, não tem participação nos direitos econômicos ou federativos do atleta, que pertencem apenas ao Santos. O clube tem até 2017 para decidir se venderá ou não o jogador e, então, ressarcir a parceira.

Damião comemora gol na Vila Belmiro
Miguel Schincariol/Getty Images
Damião comemora gol na Vila Belmiro

O ex-mandatário diz ainda que, quando estava doente e afastado do clube, sequer recebeu uma ligação de Odílio Rodrigues para saber se deveria contratar ou não o atacante. Laor alega que o Santos foi impedido pelo Internacional, inclusive, de realizar exames médicos ao atleta.

"Trazer jogador meia boca ganhando salário atrasado foi o que aconteceu nos primeiros anos de mandato do ex-presidente (Marcelo Teixeira) que eu sucedi. Vocês se lembrarão, mas ele saiu contratando Marcelinho Carioca, Edmundo, Luizão, Rincón e Carlos Germano, a salários estratosféricos. O Santos estava literalmente quebrado. Foi obrigado a vender a sua matéria-prima mais valiosa, que são os jovens da Vila", completou.

Zinho rebate declarações de Luis Álvaro

O gerente de futebol do Santos, Zinho, não mediu esforços para defender o centroavante Leandro Damião, questionado pela torcida desde o início do ano. O dirigente discordou das críticas feitas pelo ex-presidente. "É ano de eleição, não vou entrar nesse embate. Só acho um desrespeito com o profissional, um atleta trabalhador, responsável... Nenhum pangaré chega à seleção brasileira. Mesmo não estando no melhor momento da carreira, desperta o interesse de grandes clubes brasileiros e do exterior", disse Zinho à ESPN Brasil .

Zinho ainda sustentou que o Santos recebeu sondagem de clubes interessados no atleta. "É um jogador que nos ajuda muito, que está totalmente entrosado com o grupo. Eu gosto muito do Damião, é um centroavante difícil de encontrar no mercado. Tem que voltar à fase dele, mas está apenas no início da história no Santos. Acho que vai dar uma resposta positiva para alegrar o torcedor do Santos, e até uma resposta financeira no futuro", concluiu. 

Camisa 9 do time, Leandro Damião tem 33 jogos pelo Santos e apenas oito gols.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.