Peruano conseguiu liberação de amistoso contra a Guatemala, mas joga contra o Chile, maior rival histórico dos peruanos

Guerrero é ídolo peruano e vai enfrentar o maior rival em jogo nada amistoso no dia 10
AP
Guerrero é ídolo peruano e vai enfrentar o maior rival em jogo nada amistoso no dia 10

O técnico da seleção peruana, Pablo Bengoechea, liberou o atacante Paolo Guerrero do jogo contra a Guatemala, dia 14. A decisão permite a presença do artilheiro do Corinthians no duelo decisivo contra o Atlético-MG, pelas quartas de final da Copa do Brasil , dia 15. A liberação, contudo, teve um motivo extra: o amistoso anterior, dia 10, entre Peru e Chile. Os dois países são rivais históricos.

"Falei com o treinador, e ele entendeu o momento que estamos vivendo, queria estar aqui também. Vou jogar só contra o Chile, o que para nós não é nada amistoso. Vou voltar rapidamente para estar com o time", afirmou o centroavante, lembrando que a rivalidade entre os países têm motivos históricos muito além do futebol.

Peru e Chile protagonizaram a Guerra do Pacífico entre 1879 e 1883. O enfrentamento terminou com vitória chilena, que anexou a província de Tarapacá, antes do Peru, e também a região de Antofagasta, previamente da Bolívia, país que motivou o conflito e que tinha o apoio peruano. A rivalidade não morreu e renasce a cada encontro entre as duas seleções de futebol. 

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

"Dentro de campo, é assim, muito pegado", comentou Guerrero, que, desta vez, não terá Valdivia pela frente - o palmeirense está fora da seleção chilena. "Já o enfrentei, sem problemas. Amigos também não somos, não posso dizer que sou parceiro dele".

Guerrero enfrentará os chilenos no próximo dia 10, em Valparaíso, e desfalcará o Corinthians nas partidas contra Cruzeiro, dia 8, e Botafogo, dia 11, pelo Campeonato Brasileiro. Ele poderia até ficar no banco de reservas no jogo contra o time carioca, marcado para as 18h30 do sábado, em Manaus. 

"O Corinthians pediu isso não só para mim mas para os demais companheiros que têm possibilidade de estar em suas seleções. O treinador da seleção também está querendo testar outros atacantes, está em fase de testes com alguns atletas, e me dispensou do segundo jogo", explicou o camisa 9.

*com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.