Tamanho do texto

Pleno julgou novamente o caso de racismo na Arena do Grêmio e decidiu pela perda de pontos dos gaúchos. CBF é quem vai decidir se haverá ou não nova partida entre os times

Depois de recorrer da primeira decisão do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) , o Grêmio foi punido com a perda de pontos do jogo contra o Santos e multado em R$ 50 mil após novo julgamento do pleno nesta sexta-feira. Agora, cabe a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) decidir se haverá novo jogo.

Aranha volta à Arena do Grêmio, onde foi vítima de insultos racistas
Edu Andrade/Fatopress/Gazeta Press
Aranha volta à Arena do Grêmio, onde foi vítima de insultos racistas

A nova decisão do tribunal tem diferenciação em relação à primeira. No início do mês, os gaúchos foram excluídos do torneio e agora o tribunal muda a forma de punição ao atribuir a pena como perda de pontos.

No primeiro julgamento, em decisão unânime, o Grêmio foi eliminado da competição com base no artigo 243-G do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”. A equipe também foi multada em R$ 50 mil.

Patrícia Moreira, torcedora flagrada por câmeras da ESPN xingando Aranha, e outros identificados estão proibidos de entrar em estádios por 720 dias.

Como foi o julgamento

Durante novo julgamento na sede do tribunal, no Rio de Janeiro, o primeiro a se pronunciar foi o relator Paulo Shimidt, que exibiu imagens da TV do episódio de racismo contra o goleiro Aranha na Arena do Grêmio. Ele pediu o aumento da multa, perda de mando de campo e defendeu a exclusão do time da Copa do Brasil.

"As imagens, sem sombra de dúvida, indicam que as ofensas são sérias. Estamos falando em excesso de torcedores. Uma torcedora grita "macaco" e depois, em depoimento, disse que apenas reproduzia o que outros torcedores cantavam", argumentou ele.

"a reprodução da prova de vídeo que originou a denuncia, é altamente relevante para esse processo. O clube tem de ser responsável pelos atos de seus torcedores. Esses atos são injustificáveis. Clube e torcida é uma coisa só, e quando o clube teve a oportunidade de um novo encontro com o adversário, vaiou o goleiro", prosseguiu.

Relembre casos de racismo no futebol:

Gabriel Vieira e Michel Assef Filho, também advogado do Flamengo, representaram a defesa do Grêmio. "Estamos num fato de que, cinco torcedores foram vistos no vídeo. A declaração do próprio Aranha disse que foram cinco torcedores cometendo atos racistas. O Grêmio enviou um pedido de desculpas ao goleiro Aranha. Uma carta, de próprio punho, enviada por Luiz Felipe Scolari", rebateu Vieira.

Michael Assef Filho seguiu a mesma linha. "Sem entrar na parte técnica, qualquer um lá fora acha um absurdo o Grêmio ser excluído da competição por conta de apenas cinco torcedores.Como pode aplicar uma punição ao Paraná, na mesma competição, e outra punição completamente diferente ao Grêmio?", disse ele pedindo apenas a perda de pontos dos gaúchos.

O relator do caso, Paulo Cesar Filho, por sua vez, entendeu que o Grêmio não é clube racista.

Arbitragem

Punido por 90 dias e multado em R$ 1.600, o árbitro Wilton Pereira Sampaio foi julgado novamente por não ter relado na súmula as manifestações racistas após a partida. Sampaio só relatou o incidente depois de assistir pela TV e anexar um adendo ao documento.

O trio de arbitragem acabou condenado novamente. Wilton Pereira Sampaio foi suspenso por 45 dias, além de multa de R$ 800. O quarto árbitro Roger Goulart, antes advertido com 60 dias e multa de R$ 1 mil,  pegou 30 dias e multa de R$ 500. Os auxiliares foram absolvidos.

A defesa da arbitragem alegou: ""O árbitro sé relata o que é importante, o que ele viu. Se ele relatar o que não viu, o Dr. Paulo vai em cima dele. Ele foi punido em dois artigos por uma única infração. Ele levou uma pena muito violenta. A financeira se equipara quase a do Grêmio. Sampaio não relatou em súmula no momento da partida, pois achou que fosse mentira".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.