Votação, que define se Brasília ou Paysandu fica com o título, será retomada em data a ser definida pelo órgão

Brasília levanta a taça de campeão da Copa Verde
Adalberto Marques/Agif/Gazeta Press
Brasília levanta a taça de campeão da Copa Verde

Caio Rocha, presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, pediu vistas ao processo e interrompeu o julgamento do caso da Copa Verde, que pode dar o título e garantir a vaga na Copa Sul-Americana de 2015 a Brasília ou Paysandu. Com isso, a votação será retomada na próxima sessão do órgão, com data ainda indefinida.

Até a paralisação dos votos do caso, os advogados de Brasília e Paysandu já haviam apresentado a defesa dos clubes. O advogado do Brasília argumentou que a equipe sabia do encerramento dos contratos, e que os novos foram protocolados dia 15 de abril (terça-feira, seis dias antes da decisão). O caso foi um dos motivos para a demissão de Luiz Gustavo Vieira de Castro, diretor de registro da CBF até então.

STJD muda radicalmente de ideia em suas sentenças. Relembre casos incríveis

A defesa do Paysandu contestou a informação exposta pelo Brasília e afirmou desconhecer o erro técnico que teria impedido os contratos de serem visualizados no Boletim. O advogado do Papão também argumentou que a CBF jamais tinha divulgado boletins retroativos, como ditos pela entidade.

Entenda

Em abril, nos pênaltis, o Brasília conquistou o título da Copa Verde, mas foi acusado pelo Paysandu dias depois por ter escalado quatro jogadores de forma irregular, uma vez que o contrato dos atletas ainda não tinha sido publicados no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF. A equipe da capital federal contesta e afirma que as prorrogações dos contratos foram protocoladas seis dias antes da final, e que a culpa seria da própria CBF. A confederação confirma o protocolo dos contratos e define erros técnicos como culpados pelos nomes não aparecerem no Boletim.

Auditor aponta Justiça comum como caminho ao Brasília

Contrariando a legislação que já excluiu neste ano Icasa e Botafogo-PB da segunda e terceira divisão do Campeonato Brasileiro, respectivamente, um dos auditores do processo apontou a Justiça comum como um caminho para o Brasília ganhar uma indenização da Confederação Brasileira de Futebol. O Artigo 231 do Código de Justiça Desportiva diz: "Pleitear, antes de esgotadas todas as instâncias da Justiça Desportiva, matéria referente à disciplina e competições perante o Poder Judiciário, ou beneficiar-se de medidas obtidas pelos mesmos meios por terceiro", com pena de exclusão e multa.

Décio Neuhaus não viu fundamentos na defesa proposta pelo Brasília que prevê a regularidade na situação dos jogadores da equipe candanga para a partida. Portanto, os brasilienses não poderiam ter entrado em campo com os respectivos atletas. O auditor afirmou, porém, que a culpa do caso está com a CBF, e que ela deve ser a julgada.

O relator do caso teve uma visão distinta e votou a favor do Brasília. Para José Arruda, a culpa declarada da CBF isenta a equipe de culpa na escalação dos atletas, e os brasilienses têm o direito ao título. Antes da paralisação da votação, um outro auditor do caso, Gabriel Marciliano Jr. Também votou a favor do Paysandu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.