Treinador não quer contar com os status de sobrinho do ídolo de Dudu e de ex-jogador do clube nos anos 1990 para vingar

Em uma rápida aparição na sala de imprensa da Academia de Futebol, o presidente Paulo Nobre fez questão de enaltecer o vínculo que o novo treinador do Palmeiras possui com o clube.

"Conheço o Dorival só por Júnior, como era chamado quando foi volante da Sociedade Esportiva Palmeiras. Júnior, cara, seja muito bem-vindo aqui. Não preciso te falar o nosso dogma, que é honrar a camisa, pois isso está no seu DNA", discursou o mandatário, antes de entregar ao funcionário um uniforme verde com o número cinco e o nome "Júnior" estampados às costas.

Dorival Junior é apresentado no Palmeiras ao lado de Paulo Nobre, presidente do clube
Reginaldo Castro/Gazeta Press
Dorival Junior é apresentado no Palmeiras ao lado de Paulo Nobre, presidente do clube

Dorival Júnior, no entanto, não quer contar com os status de sobrinho do ídolo de Dudu e de ex-jogador do Palmeiras na década de 1990 para vingar no clube centenário, que hoje novamente luta contra o rebaixamento à Série B. "Não vejo ligação alguma. Aqui está o Dorival treinador, profissional, que já teve uma passagem pelo Palmeiras, mas isso já foi", avisou, chamando a si mesmo de "Dorival", e não de "Júnior", como fez Paulo Nobre.

Falando rápido, de forma direta, Dorival não se deixou levar em momento algum de sua apresentação oficial pelo passado no Palmeiras. Apesar de considerar a lembrança natural. "Tive a oportunidade de jogar aqui. É normal que exista um carinho especial por todas as equipes por que passei. Quando nasci, já ouvia falar do Palmeiras dentro de casa. Mas sou profissional. Não estou chegando por ser sobrinho do Dudu ou por ter atuado aqui, mas pelo meu trabalho como técnico de outras equipes", enfatizou.

Os últimos trabalhos de Dorival em outras equipes não foram animadores. No Campeonato Brasileiro do ano passado, ele comandou Vasco e Fluminense, que acabaram entre os quatro últimos colocados. Estava desempregado desde então - segundo ele, para resolver problemas particulares e refletir depois de mais de uma década de carreira como técnico.

O período sabático, ao contrário da ligação com o Palmeiras, faz Dorival Júnior confiar que o seu time em 2014 não tenha os mesmos destinos de Vasco e Fluminense em 2013. "Eu me sinto preparado. Graças a Deus, dentro das minhas possibilidades, dei retorno à grande maioria das equipes que dirigi", disse o sobrinho de Dudu.

Nada contra argentinos

Dorival já se prontificou a acalmar os jogadores argentinos que ficaram órfãos do compatriota Ricardo Gareca. O novo treinador citou o seu passado no Internacional para avisar que tratará bem o zagueiro Tobio, o meia Allione e os atacantes Mouche e Cristaldo, todos indicados por seu antecessor.

"Trabalhei com quatro argentinos no Inter, jogadores de potencial, que continuam dando retorno até hoje. Então, não vejo problema ou discriminação. Muito ao contrário. Os argentinos que ficaram aqui são profissionais e terão o nosso respeito", assegurou.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.