Antes contestado, atacante passou a viver melhor fase no São Paulo depois que meia, seu amigo e ex-companheiro de Milan, se juntou ao elenco no mês passado

Alexandre Pato: quatro gols em cinco jogos com a companhia de Kaká
William Lucas/Inovafoto/Gazeta Press
Alexandre Pato: quatro gols em cinco jogos com a companhia de Kaká

A cena pode passar despercebida, mas é emblemática: em um treino físico no CT da Barra Funda, Alexandre Pato e Kaká correm lado a lado e, conversando, se distanciam dos demais jogadores do elenco. Amigos, ex-companheiros de Milan e agora juntos novamente no São Paulo . O atacante está feliz. E dentro do clube é certeza que a chegada do meia colaborou para a transformar o antes reserva contestado em artilheiro da equipe no Brasileirão .

É nítido o melhor rendimento de Pato quando Kaká também está em campo. Em cinco jogos que disputou junto com o parceiro, o atacante marcou quatro gols, contra dois em todos os outros 11 compromissos. O camisa 11 também está participando mais do jogo: ele passa mais, finaliza mais e cruza menos, o que mostra que está atuando mais centralizado. A grande mudança, porém, é que ele passou a fazer mais faltas e desarmar adversários.

Leia:  Fora da Copa do Brasil, São Paulo enfrenta o Criciúma pela Sul-Americana

Maior participação defensiva de Alexandre Pato já era um pedido de Tite, ex-técnico do Corinthians. Em entrevista ao iG Esporte no final do ano passado, o treinador afirmou que, para se encaixar na equipe do Parque São Jorge e caiu no gosto da torcida, o atacante precisaria “sujar o calção”, em alusão a dar carrinhos e ajudar o time sem bola.

Na ocasião, até o empresário do atleta saiu em defesa de seu estilo de jogo. "Quando compraram o Pato sabiam o que era o Pato. Se querem que dê carrinho, cotovelada e se jogue no chão, compraram o jogador errado", afirmou Gilmar Veloz em janeiro.

O atacante teve o mesmo problema com Mano Menezes e a solução foi deixar o clube alvinegro - por empréstimo para o arquirrival São Paulo. Mas demorou para engrenar sob o comando de Muricy Ramalho. Na realidade, o jogador não era titular absoluto até poucas semanas atrás. Coincidiu com a chegada de Kaká.

“Isso é claro. Jogador de futebol quando tem um parceiro, uma amizade a mais de jantar, esse tipo de coisa, quando esse amigo dá uma palavra legal, mostra que você pode fazer mais. Faz diferença. E tem crédito, né? Um Kaká falando é diferente. Quando ele fala alguma coisa para alguém é para o bem. Eles trouxeram essa amizade do Milan”, afirmou Muricy após ser questionado pelo iG Esporte .

No último domingo, Pato correu, marcou, deu carrinhos... Perdeu muitos gols, é verdade, mas fez aos 42 minutos do segundo o tento que definiu a vitória do São Paulo contra o Santos no Morumbi e saiu de campo ovacionado. Assim que o apito final soou, as arquibancadas cantaram “time de guerreiros” para seus atletas. Algo difícil de se ouvir no Morumbi.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.