É o segundo empate seguido de time comandado por Gallo no Torneio de Catif, disputado em Valência, na Espanha

O elenco sub-20 da seleção brasileira não saiu do zero diante do Equador, na tarde desta quinta-feira, acumulando o segundo empate seguido no Torneio de Catif, disputado em Valência, na Espanha. Em um jogo de poucas oportunidades, com muitas faltas e reclamações de ambos os lados, o Brasil não conseguiu somar a primeira vitória na competição, ficando em situação complicada em termos de classificação para as fases eliminatórias.

Na rodada inaugural, os comandados de Alexandre Gallo tinham ficado no empate em 1 a 1 contra a limitada equipe do Qatar, que tem uma tradição muito menor do que o Brasil com relação à participação em torneios juvenis. Neste sábado, a seleção volta a campo para enfrentar a China, às 23h (de Brasília), e precisa somar três pontos para continuar vivo na disputa pela classificação.

O torneio de Catif, disputado no Oeste do território espanhol, tem uma particularidade em relação às demais competições da categoria: é disputado em dois tempos de 35 minutos e a partida acontece em gramado sintético, fato que não é comum para os atletas brasileiros.

O jogo

A partida começou em ritmo calmo, com as duas equipes se estudando nos primeiros minutos. O Brasil tentava armar as jogadas usando um toque de bola envolvente, mas os equatorianos marcavam com eficiência e diminuíam os espaços no campo de defesa.

Com o jogo truncado, as equipes começaram a buscar o resultado mais abertamente. Porém, os torcedores que acompanharam a partida em Valencia, na Espanha, não foram agraciados por um duelo corrido, de muita bola ao chão. Pelo contrário, ao longo da primeira etapa, o confronto foi marcado por muitas faltas e jogadas duras.

Apenas aos 19 do primeiro o tempo aconteceu o primeiro chute ao gol da partida: após bate-rebate na área equatoriana, Danilo arriscou de fora da área e viu a bola passar a direita do goleiro.

Na volta do intervalo, o Brasil subiu a campo desatento. Logo no primeiro lance, o atacante Zeballos recebeu e, no bico da grande área, emendou um chute cruzado que passou perto da trave direita de Marcos Felipe. No lance seguinte, aos dois minutos jogados, o Brasil só não sofreu o gol porque Lorran fez um corte providencial já dentro da área.

Com o placar em igualdade, as duas equipes se lançaram ao ataque em busca do resultado positivo. O jogo ficou mais franco e movimentado no segundo tempo. O Brasil respondeu às ameaças equatorianas somente aos 14 minutos, quando Gabriel, livre de marcação, recebeu cruzamento de Willian dentro da área, mas cabeceou nas mãos do goleiro, que defendeu sem maiores problemas.

Sem eficácia na conclusão das jogadas, o Brasil pecou pelo nervosismo. Tanto que, ao apito final, com o empate sacramentado, os times se estranharam no meio de campo e a comissão técnica, com o auxílio da arbitragem, precisou interferir para evitar que o desentendimento de alastrasse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.