San Lorenzo saiu na frente fora de casa e parecia se aproximar do inédito título da Libertadores, mas anfitriões arrancaram a igualdade no placar nos acréscimos do segundo tempo

O San Lorenzo esteve perto de construir uma grande vantagem fora de casa. Isto porque vencia o Nacional por 1 a 0 até os 47 minutos do segundo tempo nesta quarta-feira, fora de casa, mas levou o empate e viu a decisão da Libertadores continuar em aberto para a partida de volta na Argentina.

O primeiro gol da partida foi marcado por Mauro Matos. Ele completou com categoria o cruzamento de Villalba, aos 19 minutos da segunda etapa e deu vantagem ao San Lorenzo.

Nacional-PAR saiu atrás, mas conseguiu buscar o empate no fim contra o San Lorenzo na final da Libertadores
AP
Nacional-PAR saiu atrás, mas conseguiu buscar o empate no fim contra o San Lorenzo na final da Libertadores

Vantagem que durou até o último minuto, quando, em desespero, o Nacional jogou a bola na área. Após um leve desvio de cabeça, Júlio Santa Cruz, que entrou no segundo tempo, se atirou à bola para manda-la para as redes e deixar tudo igual.

O jogo

Nos minutos iniciais, a tensão tomou conta das equipes, provavelmente pela presença inédita de ambas em uma decisão de Libertadores. Os donos da casa pareciam levemente mais tranquilos, mas, aos poucos, isto foi mudando.

Apesar da mudança que estava por vir, o Nacional foi o primeiro a chegar com real perigo de gol, apenas aos 27 minutos. Após a cobrança de escanteio, Mendoza teve boa chance para mandar para as redes, mas mandou por cima.

O San Lorenzo, que já demonstrava mais tranquilidade, fez sua primeira grande jogada aos 31 minutos. Piatti rolou para Emanuel Más, que invadiu a área e soltou a bomba de esquerda. A bola explodiu na trave e voltou para Villalba, que bateu para o gol, mas viu a bola rebater no atacante Matos.

A partir deste momento, os argentinos pareceram ter tirado um peso das costas e passaram a demonstrar grande superioridade técnica. Com boas trocas de passes, a equipe chegou perto do gol do Nacional em várias oportunidades e chegou a assustar mais uma vez, em chute de Piatti.

O ritmo diminuiu no início do segundo tempo, mas os argentinos foram acordando aos poucos e retomando as rédeas da partida da mesma maneira com que fizeram na primeira etapa: trocando passes.

E foi assim que, aos 19 minutos, após ótima troca de passes entre Romagnoli e Buffarini, que o San Lorenzo chegou ao gol. Buffarini recebeu do capitão e rolou para Villalba, que cruzou de primeira para o atacante Mauro Matos. Bem colocado, ele tocou também de primeira para estufar as redes do Nacional e explodir em lágrimas na comemoração.

Imediatamente, os técnicos começaram a mexer em seus times. Morínigo, do Nacional, pôs o time no ataque, enquanto Edgardo Bauza povoou o meio-campo para segurar a partida. O San Lorenzo foi mais bem-sucedido em suas alterações e o jogo voltou a ficar travado.

O Nacional tentou se lançar ao ataque, sempre de forma desorganizada. No fim, em uma última tentativa desesperada, a bola foi levantada na área e Júlio Santa Cruz mandou para as redes, empatando a partida e dando sobrevida ao time paraguaio na final da Libertadores. Agora, quem vencer na Argentina leva o caneco. O empate leva a decisão para a prorrogação.

FICHA TÉCNICA -  NACIONAL-PAR 1 X 1 SAN LORENZO-ARG

Local: Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (PAR)
Data: 6 de agosto de 2014, quarta-feira
Horário: 21h15 (de Brasília)
Árbitro: Wilmar Roldán (COL)
Assistentes: Wilmar Navarro e Wilson Berrio, ambos da Colômbia
Gols:
NACIONAL-PAR: Julio Santa Cruz, aos 47 minutos do 2º tempo
SAN LORENZO-ARG: Mauro Matos, aos 19 minutos do 2º tempo

NACIONAL-PAR: Ignacio Don; Coronel (J. Santa Cruz), Arguello e Cáceres; Raúl Piris, Torales, Melgarejo, Orué (Luzardi), Benítez (Domínguez) e Mendoza; Bareiro
Técnico: Gustavo Morínigo

SAN LORENZO-ARG: Torrico; Buffarini, Fontanini, Gentilleti e Más; Villalba (G. Verón), Mercier, Ortigoza (Kalinski), Piatti e Romagnoli (Barrientos); Mauro Matos.
Técnico: Edgardo Bauza

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.