Após derrota no clássico para o Flamengo, jogadores do Botafogo reafirmaram o compromisso com a camisa e torcida

Carlos Alberto, meia do Botafogo
Satiro Sodre/SSPress
Carlos Alberto, meia do Botafogo

A situação financeira vitou o principal assunto do Botafogo nos últimos meses e ganhou ainda mais foco com os protestos organizados pelos jogadores antes da derrota de 1 a 0 para o Flamengo, no domingo. A entrada de uma faixa reclamando dos atrasos salariais foi planejada com antecedência, mas o resultado obtido dentro de campo não estava nos planos. Isso porque o objetivo era ganhar do rival e mostrar que o grupo, mesmo passando por dificuldades, coloca o profissionalismo acima de tudo.

Dentro de campo, porém, se viu um Botafogo errando muito, com os jogadores abalados demais. Agora, o elenco decidiu se unir ainda mais para evitar que as críticas quanto à vontade no gramado comecem a aparecer. A ordem é se doar um pouco mais em campo e garantir bons resultados, afastado de vez a proximidade com a zona de rebaixamento.

"Na conversa que tivemos com a diretoria e a comissão técnica chegamos a conclusão que devemos dar um pouquinho mais em campo, pois, independentemente do que esteja acontecendo, estamos defendendo a camisa de um grande clube. Precisamos de uma sequência de bons resultados e não de vitórias sem regularidade. Vamos trabalhar para que isso aconteça já na próxima rodada, quando vamos enfrentar o líder da competição", afirmou o lateral esquerdo Junior Cesar, se referindo ao duelo do próximo sábado contra o Cruzeiro, às 18h30 (de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O meia Carlos Alberto adota a mesma linha de raciocínio. "Não está faltando empenho e estamos trabalhando muito para conseguirmos os resultados. Entendemos o ponto de vista da diretoria. O presidente Maurício Assumpção não paga os salários não é porque não quer e sim porque toda a receita do clube está bloqueada na Justiça. O torcedor pode ter certeza de que esse time vai se entregar ao máximo em campo para buscar uma vitória contra o Cruzeiro", disse Carlos Alberto.

Para a partida contra o Cruzeiro o time do Botafogo segue indefinido. Junior Cesar, por exemplo, reaparece na vaga de Julio Cesar após cumprir suspensão. Em compensação o treinador não poderá contar com o volante Aírton, que foi advertido com o terceiro cartão amarelo diante do Flamengo e terá que cumprir suspensão. A vaga dele pode ser ocupada por Rodrigo Souto, com o treinandor mantendo o esquema com três volantes, caminho mais natural diante de um rival de grande qualidade como é a Raposa. Porém, não está descartado colocar o meio-de-campo mais ofensivo e neste cenário o favoritismo recai sobre o paraguaio Pablo Zeballos, com o jovem Daniel correndo por fora.

Nesta quinta-feira o elenco treina na parte da tarde, novamente no Engenhão, e Vagner Mancini deverá começar a dar sinais de qual escalação pretende usar diante dos mineiros.

Fora de campo alguns movimentos de torcedores iniciaram um abaixo-assinado na internet solicitando o impeachment de Maurício Assumpção. Após 12 horas no ar o documento já tinha obtido 777 assinaturas. Já a oposição, por enquanto, não trabalha com esta possibilidade, ainda mais porque a eleição presidencial acontecerá já em novembro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.