Técnico não confirma o time para o clássico de domingo, mas adota um discurso otimista para incentivar os jogadores

Ricardo Gareca não dá nenhuma dica sobre a escalação do Palmeiras no primeiro dérbi que participará, no domingo, e define o adversário como um time agressivo. Mas, durante toda a sua entrevista coletiva nesta sexta-feira, não mostrou nenhum temor do vice-líder do Campeonato Brasileiro. O técnico exige que o time tome as rédeas do clássico, mesmo na Arena Corinthians.

Leia também:  Felipe Menezes mira sequência como titular e prevê evolução do Palmeiras

Gareca comanda treino do Palmeiras
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Gareca comanda treino do Palmeiras

"O Palmeiras tem que ser protagonista, mesmo no estádio do Corinthians. Essa é a mentalidade que quero", cobrou o argentino, sem definir se montará a equipe para pressionar o rival desde o início, mas confiante no que seus comandados farão em campo. "Tenho fé no meu trabalho e nos meus jogadores sempre."

À frente da equipe, o treinador perdeu suas duas primeiras partidas, uma delas o clássico contra o Santos, em sua estreia, na semana passada, mas vem de vitória sobre o Avaí, pela Copa do Brasil, quando mandou a campo um time misto. E está certo de que seu elenco tem condições de impor dificuldades ao anfitrião do confronto de domingo.

"O Corinthians é forte em todas as suas linhas, é bem organizado. O Mano Menezes é um treinador muito tático, muito responsável, seu time tem muita disciplina e é muito agressivo. Mas o Palmeiras também é forte em todos os setores", ressaltou, indicando responsabilidade independentemente de ser o primeiro clássico da história em Itaquera.

"Os jogadores já sabem como será o estádio. Precisarão ter muita gana para jogar em um estádio novo, de Copa do Mundo, mas não preciso falar isso. Temos que trabalhar, ver vídeos do Corinthians, como joga, mostrar as coisas importantes deles, mas é importante estarmos tranquilos. Sabemos da nossa grande responsabilidade e temos que fazer o nosso melhor", simplificou.

Gareca define o clássico como um jogo "particular dos outros", mas trabalha para ganhá-lo, da mesma forma que executa em todas as partidas. "Não há um método para vencer esse tipo de partida. Teremos que fazer um grande jogo e estar muito concentrados, isso será importante. Mas vamos com confiança", indicou o argentino.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.