Presidente do Atlético-MG se mostrou desgastado com o título da Recopa no Mineirão, conquistado na prorrogação

Alexandre Kalil, presidente do Atlético-MG
Site oficial
Alexandre Kalil, presidente do Atlético-MG

O sofrimento do Atlético-MG para conquistar o título da Recopa Sul-americana fez o presidente do clube, Alexandre Kalil, admitir que está se sentindo cansado. Em seu último ano de mandato, o dirigente deixou transparecer que deve se afastar da política do Galo a partir da próxima temporada.

Atlético-MG vive drama no Mineirão, mas conquista Recopa na prorrogação

"Há dias em que o futebol dá uma tristeza, mas hoje (quarta) sentimos essa alegria. Por isso que falo que está na hora de ir embora, não aguento mais, estou realmente muito cansado, mas tenho essa alegria por ter colocado mais essa taça importante na galeria do Atlético. Todo mundo está de parabéns, os jogadores, o Levir Culpi e sua comissão...", afirmou o dirigente, ao canal Fox Sports .

O Atlético conquistou na noite desta quarta o título inédito da Recopa Sul-americana, ao derrotar o Lanús por 4 a 3, em jogo decidido apenas na prorrogação. A partida só foi para o tempo adicional porque a equipe argentina marcou um gol nos acréscimos do segundo tempo. Mas, mesmo assim, o Galo prevaleceu no Mineirão.

Capitão Leonardo Silva ergue a taça de campeão da Recopa para o Atlético-MG
Bruno Magalhaes/AP
Capitão Leonardo Silva ergue a taça de campeão da Recopa para o Atlético-MG

"É um sofrimento louco e não tenho mais saúde. Estou muito desgastado, mas também feliz, porque o pior seria estar em uma situação de zona de rebaixamento. Vi a semifinal de ontem (terça, da Libertadores) e fiquei triste, porque a gente devia estar lá, mas veio a felicidade de hoje. Tive muito prazer de ser presidente do Atlético. Depois do governador do Estado, o cargo mais importante é o meu, por ser o maior clube de Minas. Não foi sacrifício nenhum, é do c... ser presidente, mas está na hora de pegar meu bonezinho e descansar", afirmou.

Kalil ocupa o cargo máximo do Galo desde 2008, tendo sido reeleito em 2011. Por isso, não pode mesmo concorrer no próximo pleito do clube. Nestes meses de despedida do posto no Atlético, o dirigente até se concentrou com o elenco para a decisão da Recopa e brincou sobre o conforto que o clube dispõe.

"Concentrar no CT do Atlético é spa, fui ao podólogo, comi peixe, carne, bacalhau e fiz esteira, com fisiologista me orientando... Vida de jogador é excepcional. E eu descansei da minha mulher, foi tudo ótimo", brincou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.