Tamanho do texto

Denúncia mostra carteirinhas de pessoas aptas a votar com nomes fictícios, como Al Capone e Augusto Pinochet. Clube paulista se defendeu em nota

As eleições presidenciais no Santos Futebol Clube estão marcadas para dezembro, mas as divergências já começaram entre situação e oposição. Nesta quarta-feira, por meio de Orlando Rollo, conselheiro do clube e ex-vice da Federação Paulista de Futebol (FPF), foi apresentada uma denúncia de um possível esquema de fraude entre os eleitores.

Segundo Rollo, uma pessoa, que preferiu não se identificar, apresentou uma série de denúncias, inclusive com carteirinhas de associados aptos a votar, que mais parece brincadeira.

O personagem de cinema Don Corleone, o ditador chileno Augusto Pinochet, o gângster Al Capone e até Alexandre Nardoni, acusado de matar a filha Isabella há alguns anos, estão nos dados cadastrais do clube. As carteirinhas foram apresentadas à imprensa nesta quarta-feira.

Oposição, Terceira Via Santista propõe o fim do Comitê de Gestão: 'É ineficaz'

"Vou mostrar que seria impossível fabricarmos. O artigo novo do Estatuto Social diz isso. Não basta apenas cadastrar no sistema e dizer o nome. Precisa passar pela aprovação do departamento jurídico, que tem de analisar se é nome falso, verdadeiro, se o CPF bate com o nome. Se eles tiverem dúvida ou restrição, mandam para o Comitê de Gestão, que delibera pela aprovação ou não para o quadro social do clube. Não há o que se falar por carteiras fabricadas pela oposição, todas passaram pelo departamento jurídico do Santos, sendo aprovadas", afirmou Rollo. "As denúncias são tão graves, que já protocolamos na Polícia Civil um pedido de instauração de inquérito policial para a apuração de crimes", explicou o oposicionista, antes de se dirigir à Vila Belmiro com o intuito de apresentar o escândalo ao Conselho Deliberativo e reivindicar o recadastramento de todos os sócios antes das eleições de dezembro.

Atualmente, 57.708 pessoas estão registradas para participar do processo eleitoral santista. Desse total, 1.138 sócios aparecem nos dados cadastrais com mais 100 anos.

Voto à distância será decidido nesta quinta

Em meio a toda essa polêmica, a Comissão Eleitoral do Santos, nomeada pelo Conselho Deliberativo, vai tentar fazer com que o voto à distância seja aprovado nesta quinta-feira. A ideia foi lançada há uma semana e pode ser utilizada já em dezembro, caso passe pelos conselheiros na reunião desta quinta.

Santos se sente prejudicado e solicita mudanças na tabela do Brasileirão

"Trata-se de um esquema de fraude eleitoral, com principal pilar a aprovação do voto à distância do Santos, em que seis mil associados teriam sido inseridos em um sistema de uma empresa, que é um influente membro do Comitê de Gestão. E estarão aptos a votar agora, em dezembro, e por isso o interesse enorme da situação de aprovar de qualquer jeito a eleição à distância. É como se a eleição começasse 6 mil a zero para a situação, pois teriam, supostamente, 6 mil nomes cadastrados", explicou Rollo.

Segundo o parágrafo segundo do artigo 29 do Estatuto Social do Santos, cidades a mais de 50 quilômetros da Vila Belmiro que tenham acima de 500 associados aptos para votar podem ter urnas eletrônicas, mas devem ser listadas no edital de convocação. O voto à distância supostamente visa encerrar o problema dos sócios que moram longe.

"Ela (a eleição) tem de ser seguida com as normas estatutárias, que determina que seja em dezembro. Somos favoráveis imediatamente ao recadastramento de todos os associados do Santos. Vamos propor isso. E que a eleição seja feita de maneira convencional, que se afaste imediatamente a condição de votação pela internet. O sistema pode até ser seguro, mas a base de dados cadastrais não é", revelou Orlando Rollo, que pode vir a ser candidato da oposição na eleição para presidente do clube.

Clube se defende de acusações

No início da noite desta quarta-feira, o clube se pronunciou oficialmente sobre o caso e garante que está fazendo uma varredura de todos os dados cadastrais dos sócios santistas e admite que foram encontradas alguns problemas, como os citados pela denúncia da oposição, inclusive sobre os "sócios" Don Corleone, Augusto Pinochet, Al Capone e Alexandre Nardoni.

"Em reunião informal realizada pela Comissão Eleitoral com os Conselheiros, em 10/06/14, no Conselho Deliberativo do Santos FC, e com representantes da Superintendência Administrativa, Tecnologia e Informática e Comunicação do Clube, essas irregularidades foram apresentadas. Foi explicado que o SERASA havia sido contratado desde fevereiro para fazer uma verificação rigorosa do cadastro de sócios do clube", diz a nota oficial, antes de completar citando os ‘sócios fantasmas’.

"Nesse trabalho de checagem, em um universo de cerca de 60 mil associados, foram encontrados 49 nomes cadastrados, onde o CPF não batia com os nomes. Nesse grupo constavam as carteiras de sócios "fantasmas" apresentadas hoje (quarta-feira) à imprensa pela Associação Terceira Via. Esses 49 nomes estão bloqueados desde fevereiro e março deste ano. Além disso, cerca de 6 mil associados apresentaram problemas de informação.

Destes, aproximadamente cinco mil tinham erros de grafia no nome e endereço e já foram sanados. Restaram cerca de mil, que ainda estão sendo investigados para checar diferenças entre CPF's e nomes, podendo inclusive ser de associados que usam o mesmo CPF para seus filhos e dependentes ou de sócios muito antigos, da época que ainda não havia CPF", explicou a nota.

Por fim, o clube convida os sócios a se recadastrarem no clube com a intenção de que os supostos equívocos não tirem a legalidade das eleições em dezembro.

"Todos eles serão convidados a se recadastrar, conforme foi divulgado na reunião do dia 10/06/2014. A reunião, que foi gravada, está há mais de um mês à disposição do público no site do Santos FC", concluiu a nota.


* Com Gazeta Esportiva.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.