Após a vitória sobre o Bahia, jogadores elogiaram a posse de bola que tiveram durante a partida. Técnico citou dificuldade de Pato pelos lados para explicar reserva

Muricy Ramalho comanda o São Paulo na vitória sobre o Bahia
Rubens Chiri/saopaulofc.net
Muricy Ramalho comanda o São Paulo na vitória sobre o Bahia

O desempenho do São Paulo na partida contra o Bahia deixou Muricy Ramalho animado. Com domínio durante a maior parte do tempo na Arena Fonte Nova, a equipe paulista venceu por 2 a 0, fazendo o técnico observar, mesmo com cautela, uma evolução da equipe.

"Temos volantes que sabem jogar e não rifam a bola, assim como nossos zagueiros. Isso nos faz ter controle do jogo. Nosso time tem facilidade, porque sabe fazer bem a transição. Estamos no caminho certo, claro que foi só um jogo, mas já anima bastante", afirmou.

Veja como ficou a classificação do Campeonato Brasileiro

Os jogadores deixaram o gramado elogiando a posse de bola que tiveram durante a partida, e Muricy concorda que o quesito fez a diferença. "Nós treinamos demais esse fundamento, porque é muito alto o número de passes errados."

Apesar da boa atuação, o treinador minimizou a intertemporada realizada durante a paralisação do Campeonato Brasileiro para a Copa do Mundo. Muricy Ramalho adverte que seu time estava entre os líderes mesmo antes do torneio entre seleções.

"Todos os times treinaram neste período. Nós estávamos bem colocados antes da Copa e não foi por causa da parada que fizemos um grande jogo. O time está se entrosando, ganhando padrão. Mas claro que treinamos bastante posicionamento", ponderou, lembrando que sua equipe estava no quarto lugar antes desta retomada do Nacional.

Kardec celebra gol por São Paulo, mas avisa que é só “primeiro passo”

Pato

Nem a ausência de Luis Fabiano foi suficiente para abrir um espaço para Alexandre Pato no time titular na noite de quarta-feira. Depois de ter escalado Ademilson, deixando o badalado atacante no banco, o técnico explicou que o ex-corintiano teria dificuldade de exercer a mesma função que o garoto.

"Nós jogamos com dois caras abertos, e o Pato tem dificuldade ali. Não vou (colocar) porque um tem grande nome e o outro, não. Ele entende isso. Ali é corredor, e o cara tem de saber fazer, com gás e entendimento. O Ademilson e o Osvaldo treinaram muito assim e ajudam a marcar o adversário também", afirmou.

No jogo em Salvador, Muricy  escalou Alan Kardec como centroavante, tendo Ademilson pelo lado direito, e Osvaldo correndo pela esquerda, enquanto Paulo Henrique Ganso se encarregou da armação das jogadas, um pouco mais atrás.

A estratégia surtiu efeito, e Ademilson até participou da jogada do segundo gol, criando outras chances também. Já Pato só entrou no fim do jogo, quando Kardec sentiu cãibras, e Muricy espera que o elenco entenda sua estratégia e cita o futebol internacional como exemplo. "O Brasileiro é longo e, daqui a pouco, chega a Copa do Brasil, precisamos de plantel. No Brasil, jogador não está acostumado a participar de um jogo e ficar fora do outro. Nossa cultura não entende isso, mas, na Europa, até Neymar e Messi já ficaram no banco", argumentou.

O técnico ainda advertiu que precisa dar oportunidade a quem se destaca. "Não sou autoritário, mas, se eu não der a chance a quem está merecendo, não consigo ter um time. Todo mundo sabe que, daqui a pouco, vai ter chance de jogar. O Ademilson mereceu e foi muito bem", completou.

Com a vitória obtida na Fonte Nova, o São Paulo assumiu a vice-liderança do Brasileirão, com 19 pontos, mesmo número do primeiro colocado Cruzeiro, que leva vantagem nos critérios de desempate e atuará nesta quinta-feira. Outro concorrente direto do time que entra em campo no complemento da rodada é o Corinthians, que tem 16.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.