Ronaldo Ximenes, ao tentar enaltecer o feito do Corinthians no Mundial de Clubes de 2000, ignorou a conquista do Santos diante do Milan, que faturou o Interclubes de 1963

O diretor Ronaldo Ximenes, durante a apresentação do zagueiro Anderson Martins no Corinthians
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
O diretor Ronaldo Ximenes, durante a apresentação do zagueiro Anderson Martins no Corinthians

Um dia depois da conquista da Copa do Mundo pela Alemanha no Maracanã, o diretor de futebol do Corinthians , Ronaldo Ximenes, lembrou-se do título do clube no torneio realizado pela Fifa em 2000. Para o dirigente, o clube está marcado ao lado de outros campeões mundiais.

Veja a classificação atualizada, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

"Só Uruguai, Corinthians e Alemanha levantaram taça mundial no Maracanã", exaltou o dirigente, nesta segunda-feira. Ao ser questionado sobre o troféu do Santos em 1963, Ximenes descartou. "Ali não era um Mundial...", declarou, sorrindo.

Em 1963, quando ainda não havia um Mundial organizado pela Fifa, o Santos venceu a disputa que reunia o melhor da Europa contra o campeão da América do Sul. Na época, o duelo ainda era realizado em dois jogos (posteriormente passou a ser em partida única no Japão), e o Santos derrotou o Milan no Maracanã, sagrando-se campeão.

Já o Corinthians triunfou no Mundial de Clubes de 2000, organizado pela Fifa no Brasil. O time paulista conquistou a taça no Maracanã, depois de derrotar o Vasco , na disputa por pênaltis.

E mais: Mano ajusta ataque em treino coletivo com vitória dos titulares do Corinthians

"Quem teve o privilégio (de ser campeão mundial no estádio) foi o Uruguai, em 1950, o Corinthians, em 2000, e agora em 2014 a seleção da Alemanha, só. Os outros não conseguiram ser campeões do mundo no Maracanã", reforçou Ximenes.

O Uruguai obteve a glória no tradicional estádio do Rio de Janeiro na Copa de 1950, quando desbancou o Brasil na partida que decidiu a taça.

* Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.