Tamanho do texto

O time ucraniano não quer liberar o jogador a custo zero

Wellington Nem, atacante do Shakhtar Donetsk
Reprodução/Shakhtar Donetsk
Wellington Nem, atacante do Shakhtar Donetsk

A diretoria do Fluminense está encontrando sérios problemas para conseguir a contratação do atacante Wellington Nem. O jogador tem os direitos federativos ligados ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, que não parece disposto a liberar o atleta para o Tricolor. Pelo menos não de graça, com o clube brasileiro arcando apenas com os salários, como expôs a proposta apresentada aos ucranianos na noite de segunda-feira.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Wellington Nem já chegou a um acerto com o Fluminense, o que não foi difícil, já que o clube se comprometeu a arcar integralmente com os salários do jogador até a metade de 2015, quando se encerraria o empréstimo. Para isso o Tricolor contaria com a ajuda da Unimed, principal patrocinadora do Fluminense e que também gostaria de ver o retorno do atleta, revelado nas categorias de base das Laranjeiras.

O grande problema é que o Shakhtar Donetsk não quer liberar o jogador a custo zero. Além do mais, os dirigentes ucranianos estão cautelosos com qualquer negociação envolvendo o exterior, pois alguns atletas têm recorrido à Fifa com o objetivo de conseguir a liberação de maneira unilateral por conta dos problemas políticos da Ucrânia, que vive uma possibilidade de guerra.

Na terça-feira os principais clubes ucranianos, incluindo o Shakhtar Donetsk, exigiram a reapresentação imediata de todos os atletas para o início do período de pré-temporada. A medida foi uma resposta à tentativa do atacante argentino Facundo Ferreyra de se libertar de maneira unilateral do próprio Shakhtar Donetsk.

A tendência é que Wellington Nem viaje nesta quinta-feira para a Ucrânia e de lá tente uma liberação para que o Fluminense possa retomar as negociações. O jogador vai usar como trunfo o fato de estar cumprindo todos os compromissos com o Shakhtar Donetsk e não ter procurado a Fifa em busca de uma liberação. Vencida esta etapa caberá ao clube brasileiro convencer os ucranianos sobre uma liberação sem ônus. Nesse caso a ideia é mostrar que o Shakhtar Donetsk terá a sua folha salarial reduzida por conta do Tricolor pagar os salários do atleta.

A contratação de Wellington nem conta com o aval do técnico Cristóvão Borges, que pediu um atacante de velocidade, já que no momento conta apenas com nomes como Rafael Sobis, Fred e Walter. Durante o recesso do Campeonato Brasileiro para a disputa da Copa do Mundo, o Tricolor anunciou as contratações do zagueiro Henrique, que estava no Bordeaux, da França, e do meia Cícero, que vinha defendendo o Santos.

Enquanto uns chegam, outros estão de saída. O atacante Marcos Júnior já realizou exames médicos no Vitória e deverá ser liberado nos próximos dias para defender o clube baiano até o fim do ano. O jogador não vem tendo oportunidades com Cristóvão Borges e a sua saída seria interessante para reduzir parte da folha salarial do Tricolor.

O elenco do Fluminense se encontra de férias até segunda-feira, quando acontece a reapresentação. O próximo compromisso do time será no dia 16 de julho, diante do Criciúma, no Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma (SC), pela décima rodada do Brasileirão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.