Segundo o diretor de finanças Raul Correa da Silva, objetivo é usar arrecadação do estádio para pagar a dívida com obras

A poucas semanas de ter seu novo estádio à irrestrita disposição, o Corinthians logo começará a colocar em prática a estratégia para pagar sua nova casa. Segundo o diretor de finanças Raul Correa da Silva, o objetivo é usar a própria arrecadação do estádio para amortizar o endividamento contraído em sua construção. Prevendo altas receitas, ele esclarece as etapas que garantem a quitação dos débitos.

"Ela (receita com a Arena) tem tendência de crescimento, mas o estádio é feito dentro de uma estrutura para termos arrecadação mínima ao redor dos R$ 200 milhões por ano", afirma o diretor, que explica a divisão da receita em três partes.

Veja fotos da festa de inauguração da Arena Corinthians:

"O estádio em si deve representar para gente aproximadamente um terço da arrecadação. Outro terço será de camarotes e cadeiras cativas, que serão alugados e vendidos. A terceira parte é a parte de naming rights e de aluguéis de espaços", esclarece, lembrando que a nova casa alvinegra é capaz de comportar lojas em um shopping, além da possível realização de eventos.

Mas nem todo esse dinheiro será lucrado pelo Corinthians. O clube precisa arcar com a manutenção, além de quitar os empréstimos feitos para conseguir construir o estádio. Só para manter a Arena, o Alvinegro planeja desembolsar R$ 30 milhões anuais. Assim, o diretor de finanças reconhece que o lucro só deve aparecer em larga escala daqui a alguns anos.

Empresa diz que irregularidades nas arquibancadas do Itaquerão serão resolvidas

"Nos primeiros anos não vai sobrar muito dinheiro. Porque você tem os empréstimos. De uma forma ou de outra são R$ 750 milhões de endividamento", admite. "Você tem a receita, paga os custos de manutenção, as prestações e empréstimos e aí tem uma sobra. Dentro dessa sobra, temos que fazer a economia de algumas prestações, que é a garantia dos credores", explica Raul Correa, esclarecendo a maneira como o Corinthians vai se prevenir de atrasar pagamentos por conta de possível período ruim de arrecadação.

Do restante da receita, metade vai para os cofres do Corinthians e a outra metade vira "estoque de parcelas", que garante ao clube a possibilidade de quitar os empréstimos antes mesmo do prazo previsto.

Nós próximos anos, o Relatório de Sustentabilidade do Corinthians será feito de forma diferente. Contendo custo de manutenção, pagamento de empréstimo e arrecadação, o balanço específico da Arena será divulgado à parte do estudo destinado à valorização da marca e receita de patrocínio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.