Jogador sabe da sombra de Alan Kardec e diz que buscaria o seu espaço com ou sem atacante no elenco. Ele também revela que disse não ao Flamengo para fechar com o Palmeiras

Contratado quando Gilson Kleina pedia um reserva para Alan Kardec, Henrique foi apresentado oficialmente no Palmeiras nesta quinta-feira deixando o artilheiro para trás. Autor de sete gols no Paulista pela Portuguesa, dois a menos que o atacante que acaba de trocar o Verdão pelo São Paulo, o mais novo membro do elenco ressalta a grandeza do clube.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Henrique durante a apresentação no Palmeiras
Pieri Fonseca/ Agif/Gazeta Press
Henrique durante a apresentação no Palmeiras

"O Palmeiras é muito grande para depender apenas de um jogador", disse o centroavante, que assume, a pedido do clube, a camisa 19 que era de Vinicius, emprestado ao Vitória. Com contrato até o final do ano, Henrique recebeu o uniforme das mãos do presidente Paulo Nobre sentindo a mesma responsabilidade que teria mesmo antes da saída de Kardec.

Leia mais: Canhoto e menor, substituto de Kardec ganha elogio de companheiro

"Quando fui contratado, vim para buscar meu espaço. Mesmo que ele estivesse aqui, faria isso. Aqui também tem grandes jogadores esperando seu momento, comigo não é diferente", disse o jogador, definindo-se como "atacante de referência que fico no meio dos zagueiros brigando por todas as bolas e que procura empurrá-las para o gol".

O próprio jogador de 24 anos, contudo, está ciente da sombra de Kardec. "O Alan Kardec é um grande jogador, mas não quero comparar, tem o estilo de jogo dele e tenho o meu. Estou preparado e muito tranquilo porque sei que vão acontecer as comparações. Espero desempenhar meu papel bem feito aqui", declarou.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Não ao Flamengo

Henrique também falou que recebeu propostas de outros times. O ex-atacante da Portuguesa tinha acordo encaminhado com o Flamengo, mas relata que outros cinco clubes o quiseram e, mesmo assim, optou pelo Palmeiras e assinar contrato até dezembro.

"Eu tinha outras opções, apareceram seis clubes interessados no meu futebol e o Flamengo era um deles. Quando meu empresário me deu as opções entre Flamengo e Palmeiras, preferi o Palmeiras", disse o jogador de 24 anos, com direitos econômicos vinculados ao Mirassol.

"Escolhi o Palmeiras pelo trabalho realizado aqui por jogadores e comissão técnica, porque também sou de São Paulo e pela torcida. Tive a oportunidade de jogar duas vezes contra e via a força da torcida, empurrando o time do primeiro ao último minuto", continuou o novo camisa 19 do Verdão.

Ele já foi até abordado por torcedores. "Nesta semana, aconteceu um fato bem breve de um torcedor que me parou na rua e me deu boas-vindas. Recebo carinho em redes sociais, telefonemas, só mensagens boas. Quero retribuir tudo dentro de campo", prometeu.

Agora, depois de dizer não ao Flamengo, Henrique, que está com documentação regularizada, pode estrear no Palmeiras justamente contra o time carioca, neste domingo. 

"Vai ser um jogo normal. Se eu estrear, quero estrear muito bem. Do meu lado, não vejo nenhum problema porque tinham várias outras opções e optei por defender as cores do Palmeiras. Se eu jogar, quero tentar fazer o meu melhor", disse o reforço. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.