Presidente do Palmeiras disse que o atacante já estava acertado com o São Paulo e fez críticas ao mandatário do rival

Alan Kardec não é mais jogador do Palmeiras
Wagner Carmo/Inovafoto/Gazeta Press
Alan Kardec não é mais jogador do Palmeiras

O silêncio, enfim, acabou. Depois de o São Paulo dizer que já acertou a transferência de Alan Kardec, foi a vez do presidente do Palmeiras , Paulo Nobre, se pronunciar sobre o imbróglio que se arrasta há pelo menos dois meses, desde que o clube iniciou as tratativas para a renovação contratual do atacante. Em entrevista coletiva, concedida nesta segunda-feira na Academia de Futebol, Nobre confirmou a saída do jogador e disse que Kardec estava acertado com o rival desde a semana passada. 

Leia também: Alan Kardec acertou com o São Paulo há dez dias

"No sábado, fui comunicado pelo estafe do jogador, pelo seu pai, que não havia hipótese alguma do Alan continuar no Palmeiras, pois já estava certo com o São Paulo na semana passada", disse Nobre, em entrevista coletiva dada nesta segunda-feira, na Academia de Futebol. 

O presidente relatou como foram as negociações com o pai do jogador, após ficar sabendo da saída do atacante."Diante disso, perguntei se havia a possibilidade de ter acesso a proposta para estudar a possibilidade de cobri-la e o que ouvi do pai é que só haveria possibilidade se o Alan Kardec rompesse com ele, porque não iria mais cuidar administrativamente da carreira do fihlho, por ter apalavrado acordo com o São Paulo. Nós não mediríamos esforços para mantê-lo no clube". 

Nobre não poupou críticas ao São Paulo e julgou como antiética a atitude de Carlos Miguel Aidar em tentar negociar com o atacante antes do desfecho das tratativas com o Palmeiras. "A negociação estava muito perto do fim. Estava tranquilo. O problema é que um outro time entrou na negociação de maneira absolutamente antiética. O Alan Kardec era do Palmeiras, tinha negociação em curso".

Para Nobre, a relação entre as diretorias dos clubes sempre foi 'péssima' e a atitude do São Paulo só piora a situação. "Os clubes estão desunidos. De que adianta você se vangloriar de dar um passa-moleque em alguém se você continua fraco. O senhor que ganhou a presidência do São Paulo é um dos mentores do Clube dos 13, e já chega com essa atitude. A relação entre Palmeiras e São Paulo é péssima desde os anos 40".

Os indícios de que Alan Kardec estava de saída do Palmeiras ficaram mais claros na última quinta-feira, quando o jogador deixou o treinamento minutos depois de ter tido uma conversa com o gerente de futebol Omar Feitosa. Na ocasião, o clube alegou que ele estava com gastrite e, por isso, não participaria da atividade. No dia seguinte, porém, ele sequer apareceu para treinar e acabou não sendo relacionado para a partida contra o Fluminense, no último sábado.

"O Alan passou mal. Tentei conversar com ele quando tive essa notícia. Outros presidentes me telefonaram demonstrando interesse no jogador, mas não sorrateiramente durante o curso da negociação".

No início do mês, segundo as informações do jornal Lance! , Kardec recusou a segunda proposta salarial feita pelo clube. O presidente Paulo Nobre teria proposto R$ 220 mil mensais e um vínculo de cinco anos, mas o estafe do jogador considerou o número baixo, tendo em vista que clubes como Corinthians e São Paulo já haviam demonstrado interesse em contratá-lo.

Com direitos econômicos presos ao Benfica (POR), Alan Kardec estava emprestado ao Palmeiras até o fim de junho. O Palmeiras tinha até o fim de maio de exercer a prioridade de compra e pagar 4 milhões de euros (cerca de R$ 13 milhões) ao clube português.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.