Estatuto do clube não permite esse tipo de parceria, segundo informou o presidente Ilídio Lico

Depois de uma má campanha no estadual e uma precoce eliminação na Copa do Brasil, a Portuguesa tentou fechar uma parceria com o Audax, na qual o clube-empresa, associado ao Grêmio Osasco, cederia seus jogadores para incorporar o elenco rubro-verde. O acordo, porém, acabou não sendo consolidado por causa de questões internas no Canindé.

De acordo com o presidente Ilídio Lico, o estatuto da Portuguesa impediu com que o negócio fosse realizado da forma como teria sido acordado entre as duas partes. Ciente de que seria uma boa oportunidade para reforçar o elenco rubro-verde para a disputa da Série B, o mandatário da Lusa lamentou a impossibilidade de concretizar, agradecendo pela atenção dada pelo Audax.

Decepcionada com coirmãos paulistas, Portuguesa critica postura de Aidar

"Era uma promessa que surgiu depois de uma conversa, mas ficou apenas na conversa, não tem nada definitivo, e ficou difícil por causa do estatuto da Portuguesa. Tenho que agradecer pela atenção do Mário (dono do Audax) e estou até tentando falar com ele para dar uma resposta", explicou o presidente Ilídio Lico.

A iniciativa do Audax apostava em um time reforçado na Série B para conquistar o acesso. Sendo assim, a Portuguesa na primeira divisão poderia dar o retorno necessário ao clube-empresa, que doaria os seus jogadores para o clube do Canindé. Além disso, seria uma boa oportunidade de expor os atletas da equipe, que agora disputa a primeira divisão do Campeonato Paulista.

Sem sucesso com a Portuguesa, o Audax também tenta um acordo com o Guaratinguetá, que passa por situação delicada na temporada. Depois de se livrar do rebaixamento à Série A3 do Paulista, o time do Vale do Paraíba precisa de reforços para brigar pelo acesso na Série C do Campeonato Brasileiro, pela qual o clube estreia no próximo domingo, contra o Mogi Mirim, fora de casa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.