Atacante marcou o gol da conquista do Paulistão há sete anos. Naquela ocasião, assim como agora, a equipe alvinegra também estava em desvantagem diante de um time do interior

Para conquistar o título do Campeonato Paulista, o Santos precisa vencer o Ituano por pelo menos 2 a 0 no jogo de volta, domingo que vem, no estádio do Pacaembu. A situação é idêntica a que o time alvinegro viveu em 2007, quando conquistou o torneio estadual.

Damião se diz habituado à pressão e promete justificar investimento do Santos

Naquela ocasião, depois de perder do São Caetano no primeiro duelo da final por 2 a 0, o Santos tinha que vencer a segunda partida pelo mesmo placar. E foi o que aconteceu. A equipe praiana devolveu os 2 a 0 e levantou a taça, pois tinha a vantagem de jogar por dois resultados iguais. 

Moraes marcou o gol do título paulista do Santos em 2007, contra o São Caetano
Santos/Divulgação
Moraes marcou o gol do título paulista do Santos em 2007, contra o São Caetano

Tanto em 2007 quanto em 2014, o Santos estava em desvantagem contra uma surpresa do interior. O que muda agora é o palco da decisão, já que há sete anos o jogo de volta aconteceu no estádio do Morumbi. 

Diante do São Caetano, o Santos abriu o placar no primeiro tempo com gol do zagueiro Adaílton. O tento do título saiu apenas aos 36 minutos da etapa final, em uma cabeçada certeira do atacante Moraes, que saiu do banco de reservas para ser o herói da conquista.

Atualmente defendendo as cores do Metallurg Donetsk, da Ucrânia, o centroavante de 27 anos de idade falou com exclusividade ao iG Esporte , disse que continua acompanhando o clube pelo qual foi revelado e relembrou como foi a semana que antecedeu a decisão de 2007, depois de ter perdido o duelo de ida.

"A situação é bem parecida mesmo. Logo depois do primeiro jogo, o pessoal estava meio desanimado, a semana começou bem diferente. O pessoal treinou forte, trabalhou bastante o lado psicológico, a cabeça dos jogadores. Ficamos concentrados por muito tempo, até fomos para Atibaia. E isso foi bom, porque o grupo focou mais para esse jogo", comentou Moraes.

Moraes joga atualmente no Metallurg Donetsk
Getty Images
Moraes joga atualmente no Metallurg Donetsk

"No dia do jogo, o Vanderlei Luxemburgo distribuiu uma camisa para cada jogador e nela estava escrito 'Campeão paulista de 2007'. Todo mundo ficou surpreso, ninguém esperava. Ele disse que a nós já éramos merecedores só por chegarmos ali, independente de sermos campeões. Isso deu uma confiança a mais para entrarmos e tentar vencer", completou.

Herói do passado, Moraes fez sua aposta de quem pode ser o candidato a salvador da pátria na atual edição do Paulistão. "Se fosse nas mesmas circunstâncias que eu, teria que apostar em alguem que fosse sair do banco. Mas aposto no Leandro Damião ou Gabibol, são os caras que podem decidir", disse o atacante, que também deu a receita para o Santos reverter a vantagem do Ituano.

"Futebol é complicado. Acredito que o time tem que pressionar desde o primeiro minuto, entrar com força total. A torcida vai lotar o estádio e apoiar, isso vai ser importante", comentou Moraes.

Vida na Europa

A Ucrânia vive um momento político delicado e bastante conturbado. A cidade de Donetsk, onde mora o atacante Moraes, teve sua independência proclamada nos últimos dias por rebeldes separatistas pró-Rússia, que criaram uma república popular independente da capital Kiev.

O jogador brasileiro admitiu que sentiu um pouco de medo no começo, mas disse que a situação na região não é tão tensa como parece ser. "Eu estava apreensivo, lia os noticiários, o país estava vivendo esse momento conturbado. Mas na realidade está bem tranquilo, não tive nenhum problema, não corri nenhum perigo. Nunca aconteceu nada comigo e nem com a minha família", disse.

Moraes celebra gol na Ucrânia
Site oficial
Moraes celebra gol na Ucrânia

Moraes é camisa 10 do Metallurg Donetsk e tem contrato com os ucranianos até a metade de 2015. Ele admite que já foi procurado para renovar seu vínculo, mas a ideia do centroavante é se mudar para uma equipe de maior expressão dentro da Europa.

"Tive algumas propostas, mas não do Brasil. Foram de Alemanha, Turquia e China, mas o clube não me liberou, não aceitou as propostas. Tive algumas reuniões para renovar, o Metallurg sempre foi correto comigo, aqui é bom de se viver. Mas tenho vontade de jogar em uma equipe maior, brigar por títulos e jogar uma Liga dos Campeões", avisou.

Com 12 gols no Campeonato Ucrâniano e ocupando a vice-artilharia do torneio, Moraes disse que o seu foco no momento é ser o artilheiro principal da liga nacional e classificar o time para Liga Europa - o Metallurg é o oitavo colocado, seis pontos atrás da zona de classificação para o torneio. 

Mas e jogar no Brasil? "Se eu voltar para o Brasil agora eu teria que reconquistar um espaço que eu já tenho aqui", disse Moraes, que pensa em retornar no futuro e não precisamente no Santos. "Sempre joguei no Santos, meu pai jogou lá, meu irmão também. Tenho um carinho muito especial pelo clube, mas sou profissional e não descartaria atuar por um rival", completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.