Tamanho do texto

Equipe do Morumbi joga mal e, após empate de 0 a 0 no tempo normal, perde por 5 a 4 nas penalidades e está fora do Paulistão

O zagueiro Antonio Carlos falou que o São Paulo tinha obrigação de vencer o Penapolense nesta quarta-feira. Não venceu. E, após 90 minutos sem conseguir furar a retranca rival no Morumbi, foi eliminado do Campeonato Paulista ao empatar em 0 a 0 e perder por 5 a 4 nos pênaltis.

Técnico do Penapolense, Narciso consola Rogério Ceni no Morumbi
Leandro Martins/Futura Press
Técnico do Penapolense, Narciso consola Rogério Ceni no Morumbi

A equipe de Muricy Ramalho jogou mal, quebrando a evolução que era tão celebrada pelos atletas e irritando os quase 17 mil torcedores presentes. O time volta suas atenções agora à Copa do Brasil. Fora do estadual, os são-paulinos só entram em campo novamente no dia 9 de abril, quando recebem o alagoano CSA no segundo jogo da primeira fase – o tricolor venceu o duelo de ida por 1 a 0.

Já o Penapolense assegura vaga na semifinal pela primeira vez na história. No ano passado, o clube, até então estreante na elite, caiu nas quartas de final para este mesmo São Paulo. Seu adversário na próxima fase será o Santos, que eliminou a Ponte Preta na Vila Belmiro . O jogo será no litoral paulista.

Veja como foi a partida no Morumbi: 


São Paulo manda no jogo, mas é lento e chuta pouco

Foi do jeito que todo mundo esperava: o São Paulo ataca e o Penapolense se segura. Mas a superioridade tricolor não foi refletida em campo. A dificuldade do time do Morumbi em penetrar na defesa adversária foi tamanha que apenas duas finalizações levaram perigo à equipe do interior.

Quando os são-paulinos conseguiram chutar, foi de longa distância. Primeiro com Ganso, que apareceu livre na entrada da área aos 26 minutos, que exigiu boa defesa do goleiro Samuel. Na segunda, somente aos 44, Wellington bateu por cima. Fora isso, apesar das boas arrancadas de Osvaldo pela esquerda, pouco foi feito. E a transição entre defesa e ataque era feita de forma lenta.

Já o Penapolense, apesar do espaço dado pelo São Paulo em sua saída de bola, se segurou. A equipe preferiu usar contra-ataques e jogadas em velocidade. E foi dessa forma que quase surpreendeu com chute de Douglas Tanque, aos 42 minutos, que acertou a rede pelo lado de fora do gol de Rogério Ceni.

Penapolense assusta e torcida pede “raça”

Luis Fabiano se estranha com Samuel, goleiro do Penapolense
Leandro Martins/Futura Press
Luis Fabiano se estranha com Samuel, goleiro do Penapolense

Após se contenta em levar a igualdade no placar para o vestiário, O Penapolense voltou para o segundo tempo a todo vapor. Os visitantes se sentiram em casa durante cinco minutos e quase saíram na frente. Aos 9, Petros invadiu a área e pediu pênalti em disputa com Douglas, mas o árbitro mandou seguir.

Na sequência, Alexandro arricou de longe pela direita e Rogério Ceni precisou fazer boa defesa. A pressão continuou com outros dois bons contra-ataques, que fizeram a torcida tricolor pedir “raça” no Morumbi.

O São Paulo se recuperou do apagão, mas seguiu com problemas para penetrar na defesa adversária. Assim como na primeira etapa, o time só assustava em tentativas de longa distância. No que poderia ser a chance para decidir a partida, aos 35, a arbitragem marcou impedimento de Luis Fabiano em passe de Ademilson, mas zagueiro do Penapolense dava condição legal ao camisa 9, que sairia limpo na cara do gol de Samuel.

A última chance são-paulina de evitar o empate veio aos 46 minutos. Já na base do desespero, Luis Fabiano recebeu cruzamento pela direita e ajeitou para Ademilson, que encheu o pé e mandou por cima do gol. Já com a missão cumprida, coube ao Penapolense se segurar e levar a disputa para os pênaltis. Ao final dos 90 minutos, comemoração por parte dos visitantes. E vaias das arquibancadas.

Morumbi vira Penápolis

Rogério Ceni abriu a disputa de pênaltis fazendo o primeiro gol para o São Paulo. Guaru deixou tudo igual para o Penapolense. Na segunda rodada, Luis Fabiano e Petros também marcaram, mantendo a igualdade no placar. Rodrigo Caio foi o terceiro batedor são-paulino e o parou nas mãos do goleiro Samuel. Washington deixou Rogério plantado, fez e colocou o Penapolense em vantagem: 3 a 2.

Quarto batedor, Ganso também teve sua cobrança defendida por Samuel, mas o árbitro mandou voltar. Na repetição, o camisa 10 marcou. Douglas Tanque encheu o pé no meio do gol e manteve os visitantes na liderança. Osvaldo marcou o seu e manteve o São Paulo vivo, mas Neto assegurou 100% de aproveitamento e colocou o Penapolense na inédita semifinal do Paulistão.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 0 (4) X (5) 0 PENAPOLENSE

Local:  Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 26 de março de 2013 (quarta-feira)
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Alessandro Darcie
Assistentes: Mauro André de Freitas e Tatiane Sacilotti dos Santos
Público: 16.955 pagantes
Renda: R$ 406.425,00
Cartões amarelos: Wellington, Luis Fabiano, Maicon (São Paulo); Alexandro Créu, Petros, Gualberto, Rodrigo Biro, Rodnei (Penapolense)

Pênaltis: SÃO PAULO: Rogério Ceni, Luis Fabiano, Ganso e Osvaldo converteram; Rodrigo Caio desperdiçou
PENAPOLENSE: Guaru, Petros, Washington, Douglas Tanque e Neto converteram

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Rodrigo Caio, Antônio Carlos e Álvaro Pereira; Wellington, Maicon e Ganso; Pabon (Ademilson), Osvaldo e Luis Fabiano
Técnico: Muricy Ramalho

PENAPOLENSE: Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Biro; Liel, Washington, Petros e Guaru; Neto e Alexandro Créu (Neto)
Técnico: Narciso

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.