Ex-jogador da Portuguesa, Luis Ricardo chegou a ser titular na temporada, mas tem alternado com Douglas na posição

Luis Ricardo , lateral do São Paulo
Miguel Schincariol/ Divulgação
Luis Ricardo , lateral do São Paulo

Contratado a gosto da diretoria no final da temporada passada, Luis Ricardo ainda não se firmou na lateral direita do São Paulo . O ex-jogador da Portuguesa chegou a ser titular, mas tem alternado com Douglas na posição e, em algumas partidas, nem reserva é. Culpa sua? Para ele, do método de trabalho de Muricy Ramalho.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Paulista

"Nosso treinador costuma mudar bastante, de acordo com o que entende do adversário. Já teve jogos que fui titular, outros que nem fui (relacionado), alguns no banco. É algo que ele imagina. Ele escala da forma que acha melhor. Minha não afirmação cabe realmente ao nosso treinador, àquilo que ele pensa", disse, nesta quinta-feira, a três dias da partida contra o Botafogo, quando ele e outros suplentes substituirão os poupados titulares.

"Os treinos estão sendo feitos, os jogos estão aí para serem vistos. Nosso treinador é bem sábio e opta no momento pelo que ele acha melhor", acrescentou o jogador, que tem dez atuações com a camisa tricolor e um gol, marcado na vitória sobre o XV de Piracicaba, há pouco menos de um mês.

Luis Ricardo foi além ao analisar as causas de não repetir no São Paulo os bons momentos vividos no Canindé, entendendo não ter responsabilidade direta por elas.

"Na Portuguesa, eu tinha um pouco mais de liberdade de sair, as jogadas passavam sempre pelo meu lado. Aqui no São Paulo, é outro clube, outro treinador, outro esquema. Eu tenho que entender aquilo que meu treinador pede para que eu faça. Já me disseram 'poxa, você não faz aquilo que você fazia na Portuguesa'. Mas eu não estou na Portuguesa, estou no São Paulo", opinou.

"Meu treinador pede para fazer alguma coisa, e eu faço. Aqui tem um grupo. Você não tem que fazer aquilo que você pensa. Tem esquema tático, você treina para ser feito aquilo que ele pede. Tem que ser cumprido à risca, senão o jogador acaba sofrendo", concluiu o arrojado lateral.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.