"Pensamos primeiro em ficar no primeiro lugar geral, independentemente de quem vier depois", avisou o atacante

Se cumprir a meta de terminar a primeira fase do Campeonato Paulista com a melhor campanha, o Palmeiras tem boas chances de, caso passe das quartas de final, encontrar o São Paulo nas semifinais. Nada que assuste Leandro ou o faça preferir perder do Santos no domingo, na Vila Belmiro. O atacante minimiza a chance de ter um clássico antes da decisão por confiar no time.

Leandro, atacante do Palmeiras
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Leandro, atacante do Palmeiras

"Pensamos primeiro em ficar no primeiro lugar geral, independentemente de quem vier depois. Sabemos da qualidade do nosso grupo e temos total confiança para pegar quem for pela frente porque daremos o nosso máximo. Não será fácil ganhar de nós", avisou o atacante, ciente de que a vitória assegura ao Verdão a condição de time com mais pontos do torneio até as finais.

"Todos os clássicos são difíceis, independentemente da fase. Terá a mesma dificuldade dos outros clássicos", comentou, indicando que o encontro do fim de semana não pode ter influência nas fases decisivas do Estadual.

"Quando você ganha um clássico, chega sempre com moral para a próxima partida. Mas sabemos que, independentemente do resultado, teremos as quartas de final, um mata-mata pela frente. Não podemos dar mole nem vacilar para não correr risco de ficar fora", ensinou, mostrando que conhece o adversário.

O Santos tem o respeito de Leandro. "Eles têm o melhor ataque da competição. Precisaremos ter muita atenção, até porque é clássico. Não podemos nos descuidar nenhum minuto para não acabar sofrendo uma derrota na Vila", indicou.

Atenção é a cobrança do jogador, obcecado pelo título paulista. "Se não fosse importante, não jogaríamos. Se estamos na competição, é para sermos campeões. O Paulista tem grande importância, é o nosso principal objetivo agora", apontou.

Leandro deixa pênalti perdido na Vila e qualquer retrospecto para trás

No ano passado, a campanha do Palmeiras no Campeonato Paulista parou nas quartas de final graças a um pênalti perdido por Leandro, na Vila Belmiro. Neste domingo, o atacante volta ao estádio pela primeira vez desde aquele erro. E avisa que não só aquele lance, mas qualquer assunto envolvendo o passado não lhe causa influência nenhuma.

"O que passou, passou. O que ficou para trás, é passado. Penso a cada jogo e tenho que focar no jogo de agora", disse o jogador, deixando para trás, inclusive, o mau retrospecto de Gilson Kleina em mata-mata - não venceu nenhum desde que chegou ao Palmeiras, em setembro de 2012.

"Não procuro me informar sobre isso, mas sobre o time que vamos enfrentar. Vou atrás de quem joga, de cada posição, não me preocupo com retrospecto de técnico ou time", falou o atleta, que tem o mesmo discurso mesmo para falar sobre sua invencibilidade no Pacaembu. "É uma marca importante, lega, mas cada jogo é um jogo diferente. Procuro focar sempre no próximo jogo e deixar essas marcas de lado, não penso muito nelas."

Além do que está em campo, Leandro só destaca de fora de campo o clima que vive no Verdão. Aos 20 anos, o jogador formado nas categorias de base do Grêmio disse que nunca conviveu em um ambiente tão positivo, e garante que isso reflete mais nas partidas do que qualquer retrospecto.

"Já peguei um grupo muito bom no Grêmio em relação à amizade, mas esse, sem duvida, é o melhor que já trabalhei, apesar de eu ter poucos anos como profissional. Todos têm visto nossa amizade dentro e fora de campo. Isso reflete em campo, você corre e joga com mais vontade pelo companheiro, querendo o bem de todos. Essa amizade e união fora de campo são bem importantes", indicou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.