César Maluco diz que antigos diretores não valorizaram os ex-jogadores do clube e afirma que Paulo Nobre os resgatou do esquecimento. Leivinha e Ademir da Guia concordam

Jogadores que marcaram seus nomes na história do Palmeiras reclamam de um dia ter sido desprezados por antigos diretores. Ademir da Guia, César Maluco e Leivinha são alguns que já passaram por essa situação e hoje comemoram a atenção dada pelo presidente Paulo Nobre. Crítico ferrenho das antigas administrações, o ex-centroavante dispara contra Arnaldo Tirone e cobra mais atenção à memória alviverde.

Sem o conhecimento do Palmeiras, WTorre entrega camarote a ídolos do clube

Cantor Simoninha, César Maluco, Ademir da Guia e Leivinha durante evento no Allianz Parque
Gabriela Chabatura/ iG
Cantor Simoninha, César Maluco, Ademir da Guia e Leivinha durante evento no Allianz Parque

“Quem complica tudo são os homens, principalmente os da gestão passada, que pensam que esse clube é brinquedo. O Palmeiras é vencedor e sempre será. A vida não é um sonho, é uma realidade. Eles sonham com o clube, sonham que vão fazer alguma coisa e quando vê já é tarde. É isso que me dá tristeza”, disse Maluco ao iG .

“Eu senti alegria por ter recebido uma coisa linda dessa (camarote especial), mas na mesma hora senti tristeza por ter sido abandonado por antigos dirigentes. Fui esquecido por eles que acham que são donos do Palmeiras. Foi isso que veio à minha mente. Quanto tempo demorou para termos essa premiação? E o Oberdan Catani? Não fizeram nada para ele até agora. É absurdo”, acrescentou o ex-goleador.

César Maluco participa ativamente da política do clube. Conselheiro, o ex-jogador é membro da Chapa União Verde e Branca – conhecida como UVB -, encabeçada por Wlademir Pescarmona e Luiz Gonzaga Belluzzo. O primeiro já disse que concorrerá às próximas eleições, a serem realizadas no fim deste ano, enquanto o segundo cogita a hipótese de sair como vice. Maluco apoiará Pescarmona, mas também tece elogios a Paulo Nobre.

“Eu acredito que com o Paulo nós tivemos um pouco mais de oportunidade de fazer parte do clube. Vamos citar o Santos. O Santos tratam tão bem seus ex-jogadores, incluindo o Pelé e outros mais. Às vezes eu penso que o Palmeiras é muito grande e nós temos gente pequena. Eu acredito que o Paulo Nobre deu a nobreza para a gente (ídolos). Esperamos que ele tenha em sua volta apenas gente grande, porque aí estará no caminho da vitória”, analisou.

Os outros ídolos compartilham da mesma opinião do ex-companheiro. Ademir da Guia e Leivinha reconhecem que são mais acionados pelo clube do que anteriormente. “O Paulo Nobre tem dado mais atenção, ele está nos ajudando. Paulo falou para gente que isso aconteceria, o que para nós é muito importante”, disse da Guia, que constantemente tem participado de ações na Academia Store, rede de lojas oficiais do clube.

“A verdade é que os ex-atletas são esquecidos. Nunca dependi do Palmeiras, eu apenas sai do clube porque ele resolveu me negociar, porque eu não queria. Eu fiquei cinco anos no clube e me tornei palmeirense, mesmo depois ter atuado por outros clubes. A gente fica contente e até um pouco surpreso quando acontece uma homenagem, porque eu digo que aqui no Brasil não se preserva muito a memória, infelizmente. Não estamos acostumados a ser reconhecidos, declarou Leivinha.

A presença dos ídolos do Palmeiras intensificou-se com a proximidade do centenário. Além do goleiro Marcos ser funcionário do clube e ter a função de embaixador, ex-atletas como Veloso e Sérgio participam sempre eventos de exposição da marca.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.