Força Jovem do Vasco não poderá frequentar outros eventos por conta da determinação do juiz Antônio Augusto de Toledo Gaspar. Ele alega "insegurança e medo" dos torcedores com a presença da organizada

Principal torcida organizada do Vasco, a "Força Jovem", já estava impedida de participar de jogos de futebol por um ano pela Justiça, mas teve a pena ampliada nesta quinta-feira e agora não poderá frequentar qualquer evento de cunho esportivo. Resultado da briga na Arena Joinville na última rodada do Brasileirão do ano passado, a decisão foi tomada pelo juiz Antônio Augusto de Toledo Gaspar, da 1ª Vara Empresarial.

Briga entre torcedores no jogo Atlético-PR x Vasco
Giuliano Gomes/Gazeta Press
Briga entre torcedores no jogo Atlético-PR x Vasco

Na argumentação pela ampliação da pena, o juiz chama atenção para o comportamento dos líderes da "Força Jovem", que, mesmo com a proibição anunciada no último dia 17, convocam integrantes e simpatizantes a frequentarem os estádios e que provocam "insegurança e medo aos que ali se encontram".

Com a nova determinação da Justiça, o torcedor vascaíno que descumprir a decisão será retirado do local e terá que responder pela ação. A "Força Jovem" ainda terá de pagar multa de R$ 10 mil caso vá aos eventos com roupas, bandeiras ou instrumentos que fizerem referência ao próprio nome.


Além disso, a torcida organizada foi intimada a entregar uma lista com os nomes de todos os associados. O objetivo é usar o registo na investigação de suspeitos de envolvimento na confusão da partida contra o Atlético-PR, no dia 8 de dezembro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Os efeitos da liminar anterior foram mantidos e todos os denunciados pelo Ministério Público pela briga em Joinville terão que comparecer à delegacia 15 minutos antes de cada jogo para sair apenas meia hora após o final da partida. O descumprimento da norma rende multa de R$ 2 mil a cada réu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.