Jogador considerou injustas as críticas recebidas após partida contra o Corinthians, no último domingo

Gilson Kleina atribuiu a má atuação de Valdivia no empate diante do Corinthians à marcação adversária, que dificultou suas opções de passe no ataque do Palmeiras . Mas o chileno prefere diminuir a repercussão de seu desempenho e garante que ninguém ainda descobriu como anulá-lo.

"Ninguém tem a bola mágica para achar o jeito como o cara joga e não deixá-lo fazer absolutamente nada", afirmou, citando evolução desde quando virou profissional, ainda adolescente, no Colo Colo. "Estou há 15 anos jogando como profissional. Se ainda jogo, é porque ninguém descobriu o jeito de não me deixar jogar."

Valdivia nega problema, mas recorda gozação de Bruno César em clássico

Os comentários sobre o jogador mais caro do Palmeiras por pouco aparecer no clássico contra o arquirrival irritaram o camisa 10. O meia considera injusto criticá-lo duramente somente por conta do que fez (ou deixou de fazer) no último domingo, no Pacaembu.

"Não foi uma boa atuação, mas não foi a última. Tem mais jogo no domingo. Não é por uma partida que já tem que voltar a ser falado tudo o que gostam de falar de mim", comentou o jogador, alvo de reprovação nas redes sociais no fim de semana.

Diante do Corinthians, o chileno só criou uma boa jogada, entregando a bola para Mazinho bater fraco, no primeiro tempo. Chamou mais atenção ao levar, acidentalmente, uma cabeçada do árbitro do que pelo que apresentou com a bola.

Valdivia não jogou na quarta-feira, contra o Ituano, seguindo programação da comissão técnica para evitar lesões, mas voltará a atuar no domingo, contra o Botafogo, em Ribeirão Preto. E promete inovações para ser decisivo. "Tenho sempre uma cosia a acrescentar a cada jogo, e uma coisa diferente", avisou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.