Presidenta usou o Twitter para expressar apoio ao volante do Cruzeiro, vítima de racismo em jogo da Libertadores

Tinga foi vítima de racismo da torcida do Real Garcilaso no Peru
AP
Tinga foi vítima de racismo da torcida do Real Garcilaso no Peru

Alvo de insultos racistas originados de torcedores peruanos no duelo entre Real Garcilaso e Cruzeiro , nesta quarta-feira, no Estádio Huancayo, o meio-campista Tinga tem recebido diversas manifestações de apoio. Na manhã desta quinta-feira, foi a vez de a presidenta Dilma Rousseff, utilizar o Twitter para lamentar a situação e ser solidária ao volante.

"Foi lamentável o episódio de racismo contra o Tinga. Ao sair do jogo, ele disse que trocaria seus títulos por um mundo com igualdade entre as raças, por isso todos nós estamos fechados com ele", escreveu a líder máxima do País.

Vaiado no Peru, Tinga diz que trocaria todos os títulos pelo fim do racismo

Na derrota do time mineiro por 2 a 1 diante do Real Garcilaso, Tinga entrou em campo aos 21 minutos do segundo tempo, na vaga do meia-atacante Ricardo Goulart. O atleta era alvo de insultos racistas dos torcedores sempre que tocava na bola, em situação que permaneceu até o final do confronto. O volante, que atuou pelo Borussia Dortmund, da Alemanha, entre 2006 e 2010, afirmou que jamais passou por algo semelhante em território europeu.

O racismo tem sido uma das questões mais polêmicas do cenário esportivo nas últimas décadas. Sede da Copa do Mundo deste ano, que será realizada entre 12 de junho e 13 de julho, o Brasil estuda abordagens especiais para evitar atos desse tipo. E, segundo Dilma Rousseff, já há pacto firmado com a ONU (Organização das Nações Unidas) e Fifa (Federação Internacional de Futebol Associado).

"Acertei com a ONU e com a Fifa que o nosso Mundial será também a "Copa contra o racismo", porque o esporte não deve jamais ser palco para o preconceito", encerrou a presidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.