Tamanho do texto

Além do caso de racismo com Tinga, clube mineiro reclama de má recepção por parte do Real Garcilaso

O Cruzeiro vai acionar a Conmebol para reclamar do tratamento recebido em Huancayo, no Peru, onde enfrentou o Real Garcilaso . Na avaliação da diretoria, houve despreparo, em diversas instâncias, que prejudicaram a delegação. O diretor de futebol Alexandre Mattos fez duras críticas à maneira como foram recepcionados pelos peruanos.

Jogadores do Cruzeiro lamentam revés e estrutura precária em Huancayo

"Nossa van foi revistada pela polícia, depois de novo aqui dentro, uma indelicadeza muito grande. O estádio não tem condição nenhuma, uma cidade sem hotel, sem água. É um perigo ali na lateral do campo, jogador cair naquela pista e se machucar. Na hora que um arrebentar a cabeça, eles vão tomar providências, mas vai ser tarde demais", declarou.

Alvo de racismo, Tinga recebe apoio de colegas, ex-clube e até da presidente

Na avaliação de Mattos, o que o Cruzeiro enfrentou em Huancayo serviu para deixar o grupo ainda mais forte na briga pelo título da Libertadores. 

"Esse campo não tem condição de jogo, não só pelo gramado. O que fizeram aqui não tem palavras. Não tem água no vestiário. O Cruzeiro vai muito forte nesta Libertadores, porque eles mexeram com um gigante e nós vamos atropelar agora", garantiu.


* Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.