Time comandado por Gilson Kleina desperdiçou oportunidades, mas manteve a invencibilidade no Paulista

Valdivia disputa lance durante empate do Palmeiras com o Audax
Futura Press/Leandro Martins
Valdivia disputa lance durante empate do Palmeiras com o Audax

O "carrossel" formado por Fernando Diniz quase tentou surpreender o Palmeiras , mas um gol salvador de Mendieta, já no fim do segundo tempo, garantiu o empate em 1 a 1 no Estádio do Pacaembu. Ao abusar dos gols perdidos, o time de Gilson Kleina viu o Grêmio Osasco Audax sair na frente do marcador, buscou a igualdade com muito sufoco e só não manteve o aproveitamento de 100% porque Alan Kardec desperdiçou um pênalti no final do jogo.

O resultado finda uma sequência de seis vitórias nos seis primeiros jogos do Palmeiras no ano do centenário. Ainda na liderança do Grupo D, com 19 pontos, o time de Gilson Kleina tentará retomar o caminho dos triunfos diante do arquirrival Corinthians, no próximo domingo, às 17 horas (de Brasília), novamente no Estádio do Pacaembu.

LEIA MAIS: Otimistas, clubes dão chances para medalhões em crise

O Audax, por sua vez, que havia sido derrotado na última rodada, chega à terceira colocação do Grupo B, com nove pontos, em uma chave que tem o Corinthians como último colocado. Na próxima rodada, o ‘carrossel’ de Fernando Diniz vai encarar o Rio Claro, no sábado, às 15 horas (de Brasília), no Estádio Nicolau Alayon, que pertence ao Nacional de São Paulo.

O JOGO

Com o objetivo de desmontar o carrossel do Audax, que impôs uma marcação compacta para não criar espaços ao adversário, o Palmeiras não demorou a acionar o seu jogador mais criativo em campo. Logo aos dois minutos do primeiro tempo, Valdívia saiu da marcação com facilidade e encontrou William Matheus na linha da grande área. O lateral tentou dominar a bola, mas sofreu uma falta clara, não marcada pelo árbitro, para a irritação dos palmeirenses.

Valdívia, no entanto, depois de reclamar bastante com o árbitro, mostrou que estava em tarde inspirada, seguiu mostrando muita categoria para orquestrar o meio de campo do Palmeiras e iniciou mais uma jogada que quase terminou em gol aos 13 minutos. O chileno fez o passe em profundidade para Wendel, que cruzou na medida para Leandro. O atacante teve espaço para finalizar, mas mandou por cima do gol.

Apesar da pressão palmeirense, o Audax manteve o seu estilo de jogo, trocando passes a qualquer custo até encontrar espaços para finalizar à meta de Fernando Prass. A estratégia fez com que o os comandados de Kleina adiantassem a marcação, abrindo espaços no campo de defesa. A atitude alviverde, no entanto, mesmo com os riscos, também culminou em boas jogadas de ataque.

Aos 16, a troca de passes da equipe de Fernando Diniz falhou ainda no campo de defesa, Mazinho roubou a bola, passou para Wesley, que serviu William Henrique. O lateral invadiu bem a área, mas acabou sendo travado pela zaga. Dois minutos mais tarde, foi o atacante Leandro que teve a chance de marcar, conseguiu driblar o primeiro marcador, finalizou, porém Nenê Bonilha impediu o primeiro do Verdão.

Jogadores do Audax comemoram gol da equipe
Futura Press/Leandro Martins
Jogadores do Audax comemoram gol da equipe

Os dois sustos pouco serviram para alterar o jogo do Audax, que seguiu tocando a bola no campo de defesa e proporcionou mais uma grande chance para o Palmeiras. Aos 28, Leandro invadiu a área com muita liberdade, tinha a opção de tocar para Kardec, preferiu dar um drible a mais e perdeu a chance mais clara da partida. Mais tarde, aos 32, em mais um passe errado da equipe de Osasco, Valdívia tentou marcar por cobertura, mas a má pontaria o impediu de fazer um golaço.

Em um primeiro tempo no qual o Palmeiras foi bastante superior, o time de Gilson Kleina ainda teve mais uma chance antes do intervalo. Alan Kardec fez o pivô na linha da grande área, serviu Leandro, que girou sobre dois marcadores, achou espaço para chutar, mas parou no goleiro Felipe Alves. Restava saber se, na volta dos vestiários, a equipe do Palestra Itália

Logo nos primeiros minutos, já foi possível perceber que o desgaste físico pesava para o time do Palmeiras. Sem conseguir pressionar com o mesmo ímpeto a saída de bola do Audax, o time de Gilson Kleina passou a dar liberdade para o ataque da equipe de Osasco, que assustou o goleiro Fernando Prass duas vezes com chutes de fora da área.

Os gols perdidos no primeiro tempo começavam a fazer falta, ainda mais quando o Audax resolveu surpreender aos sete minutos da etapa complementar. A zaga do Palmeiras bateu cabeça, errou seu posicionamento e não conseguiu afastar o perigo. A bola sobrou para Denílson, que, com muita liberdade, jogou para o fundo das redes de Fernando Prass.

A vantagem do Audax transformou a partida em um ‘ataque contra defesa’. A marcação compacta do time de Osasco dificultou ainda mais as projeções ofensivas do Palmeiras, que já mostrava sinais de nervosismo com uma possível primeira derrota no Campeonato Paulista. Além disso, os comandados de Fernando Diniz não deixavam de assustar, principalmente nas bolas paradas.

Alan Kardec perdeu o pênalti que poderia ter dado a vitória ao Palmeiras
Futura Press/Leandro Martins
Alan Kardec perdeu o pênalti que poderia ter dado a vitória ao Palmeiras

A pressão do Palmeiras quase resultou em gol aos 17, quando Marcelo Oliveira apareceu livre dentro da área, mas testou por cima do travessão. Dez minutos mais tarde, o Verdão voltou a ficar muito próximo da igualdade. Diogo recebeu o cruzamento, dominou na pequena área, mas isolou no tobogã do Pacaembu. Outra chance veio na bola parada. Valdívia sofreu a falta, Mendieta foi para a cobrança e carimbou o travessão.

O gol estava próximo e saiu, enfim, aos 33 minutos do segundo tempo. Após cobrança de escanteio para o meio da área do Audax, a zaga do time de Osasco afastou mal, o rebote ficou com Mendieta, que bateu rasteiro e balançou as redes. Era a festa da torcida alviverde no Pacaembu, que passou a pedir a virada e quase foi atendido no lance seguinte.

Marquinhos Gabriel recebeu a bola dentro da área, tentou o drible e foi derrubado. O árbitro, que não marcou um pênalti para o Palmeiras no primeiro tempo, apontou a infração a favor do clube do Palestra Itália desta vez. Na cobrança, porém, Alan Kardec escolheu o canto direito de Felipe Alves e viu o goleiro do Audax fazer a defesa. No rebote, o centroavante parou novamente no arqueiro. Era a confirmação do empate no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 1 GRÊMIO OSASCO AUDAX

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP) 
Data: 9 de fevereiro de 2014, domingo 
Horário: 17 horas (de Brasília) 
Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP) 
Assistentes: Bruno Salgado Rizo e Vitor Carmona Metestaine (ambos de SP) 
Assistentes adicionais: Raphael Claus e Ilbert Estevam da Silva (ambos de SP) 
Cartões amarelos: Caion, Camacho, Carlos Magno (Grêmio Osasco Audax) e Wellington (Palmeiras)  
Gols:
GRÊMIO OSASCO AUDAX: Denílson, aos sete minutos do segundo tempo
PALMEIRAS: Mendieta, aos 33 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Wellington e William Matheus; Marcelo Oliveira, Wesley (Mendieta), Valdivia e Mazinho (Marquinhos Gabriel); Leandro (Diogo) e Alan Kardec
Técnico: Gilson Kleina

GRÊMIO OSASCO AUDAX: Felipe Alves; João Paulo, Nenê Bonilha (Carlos Magno) e Francis; Velicka, Tche Tche (Marquinho), Camacho, Rafinha e André Castro; Caion (Thiago Silvy) e Denílson
Técnico: Fernando Diniz

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.