Tri da Copa do Brasil dá vaga na Libertadores e Flamengo deve investir para criar elenco robusto na briga pelo título

Jayme de Almeida, técnico do Flamengo
Buda Mendes/Getty Images
Jayme de Almeida, técnico do Flamengo

Um ano que começou conturbado, mas terminou de forma gloriosa. Assim pode-se falar do Flamengo em 2013. Campanha decepcionante no Campeonato Carioca, desempenho ruim no Brasileirão, se salvando da queda nas últimas rodadas, porém, o melhor veio no final. Em meio a uma gestão pés no chão do novo presidente Eduardo Bandeira de Melo, o humilde Jayme de Almeida, alçado de auxiliar a técnico, levou o Flamengo à conquista do tri da Copa do Brasil, garantindo um lugar para os cariocas na Libertadores de 2014.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

O triunfo no fim do ano passava longe dos pensamentos rubro-negros nos primeiros meses de 2013. Eduardo Bandeira de Melo encontrou o clube cheio de dívidas ao assumir a presidência. Porém, implantou um modelo de recuperação financeira, com uma administração cautelosa e sem falsas promessas. O Flamengo teve atuação discreta no mercado de transferências e precisou se livrar de Vágner Love, um dos ídolos da torcida, mas caro para os cofres do clube. Além disso, teve de se desfazer de modalidades olímpicas, como ginástica, natação e judô, que geravam déficit.

Mercado da bola: veja as transferências que movimentam o futebol brasileiro

Dentro de campo, os resultados demoraram a acontecer. No carioca, chegou apenas à semifinal da Taça Guanabara e ficou longe de se destacar na primeira metade do ano. Com a saída de Jorginho e a vinda de Mano Menezes, as esperanças se renovaram, mas a situação não mudou. O ex-técnico da seleção brasileira não emplacou na disputa do Brasileirão e pediu uma inesperada demissão, em setembro. E quando menos se esperava, o Flamengo deu liga. Auxiliar técnico, o ex-zagueiro do Flamengo Jayme de Almeida foi alçado à condição de técnico, ganhou a confiança dos jogadores, diretoria e torcida. Com seu estilo humilde e tranquilo, o prata da casa comandou um time que contou com o brilho de Elias, a agilidade de Paulinho e o oportunismo do artilheiro Hernane rumo ao tri da Copa do Brasil.

André Santos e Leo Moura com a taça de campeão da Copa do Brasil pelo Flamengo
Buda Mendes/Getty Images
André Santos e Leo Moura com a taça de campeão da Copa do Brasil pelo Flamengo


Retorno à Libertadores dá nova perspectiva
Eduardo Bandeira de Melo chegou sem as promessas de títulos no primeiro ano, mas ele veio e garantiu vaga ao Flamengo na Libertadores. Na busca pelo bi, o clube deve abrir os cofres e investir em jogadores badalados e com história de sucesso na competição continental. O elenco jovem e sem experiência precisa de atletas de nome, que chegam para serem titulares. Para lutar pelo caneco, o time necessita de reforços para zaga, meio e ataque, mas um meia é o grande alvo. Mesmo com as atenções voltadas para a Libertadores, o Campeonato Carioca não será deixado de lado e o Flamengo deve chegar à fase final para brigar pelo título.

Permanência de Elias e Paulinho são prioridades
Grande nome do Flamengo na conquista da Copa do Brasil, Elias chegou emprestado pelo Sporting, de Portugal, e seu contrato se encerra no dia 31 de dezembro. Na negociação para que o meia permaneça, o Flamengo teria de desembolsar 8 milhões de euros, cerca de R$ 24 milhões. O jogador já expressou sua vontade de ficar e disse que abrira mão da dívida que o clube português possui.

Revelação na Copa do Brasil, o rápido Paulinho está emprestado pelo XV de Piracicaba até maio, mas o Flamengo não deve ter problemas para pagar R$ 1 milhão para o time paulista. A permanência do veterano Léo Moura já está confirmada para o próximo ano. Decepção em 2013, o caro Carlos Eduardo não agradou diretoria e torcida e pode deixar o Flamengo. Já o técnico Jayme de Almeida chegou sem alarde, conquistou o carinho da torcida e renovou contrato para 2014.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.