Tamanho do texto

Em entrevista ao canal "Sportv", treinador diz que é as autoridades precisam ter coragem para impor um limite às organizadas

Tite diz que ameaças e protestos violentos das torcidas em nada ajuda a rotina dos clubes
Aldo Carneiro Costa/Gazeta Press
Tite diz que ameaças e protestos violentos das torcidas em nada ajuda a rotina dos clubes

É comum o período de crise em times de futebol vir acompanhando de protesto de torcidas organizadas dentro ou fora do clube. Para o técnico Tite, intervenções como estas não são benéficas para o elenco e devem ser coibidas pelas diretorias e autoridades de futebol.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"É algo cultural. Em todos os clubes que passei houve essa intervenção do torcedor me cobrar, ameaçar com fogos de artifício ou desrespeitar no treino como mobilização para o time jogar melhor. Isso tem que ser barrado. A cobrança aos profissionais deve ser feita de outra forma, não essa", disse o ex-treinador do Corinthians ao canal Sportv . "Não é toda a torcida, são algumas pessoas. Precisamos ter coragem de impor um limite", completa.

Veja ainda: Atlético-PR, Vasco, federações e árbitro são denunciados no STJD

O momento mais conturbado da passagem de Tite pelo Corinthians foi após a eliminação para o Tolima, na primeira fase da Libertadores de 2011. Na ocasião, o ônibus do time foi apedrejado em protesto da torcida no CT Joaquim Grava, assim como carros de membros da comissão técnica, da diretoria e do elenco.

Apesar disso, o treinador aponta outro protesto como o mais marcante de sua carreira. Sem revelar onde, Tite revela que foi alvo de protestos logo em sua primeira partida de um dos clubes por que passou. Segundo ele, a manifestação foi fruto de membros da oposição da diretoria - fato que infelizmente considera comum no futebol.

E mais: Tite diz que queda para Boca foi 'suja' e que recusou seleção que estará na Copa do Mundo

"Houve manifestação da torcida logo em meu primeiro jogo para reclamar principalmente de dois dirigentes. Fui conversar com a organizada e disse que estava assumindo o clube em situação difícil e se eles não ajudassem eu iria sair em cinco ou seis jogos, o que prejudicaria o time ainda mais. Mas eu sentia a interferência de dentro do clube. Manifestações como essa acabam atrapalhando. Há muito esse tipo de interferência. Não sei quanto, mas tem", conclui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.