Ídolo do Flamengo nas décadas de 1970 e 1980 como jogador, Andrade elogia o trabalho de Jayme de Almeida e critica a escassez de grandes destaques na base do clube carioca

Andrade e Renato Gaúcho diputam bola na partida contra o Santos na campanha do título de 1987
Gazeta Press
Andrade e Renato Gaúcho diputam bola na partida contra o Santos na campanha do título de 1987

Criada na década de 1970, a expressão “Craque o Flamengo faz em casa” ganhou fama nos tempos áureos da geração campeã mundial de 1981. Mais de trinta anos depois, a base não revela jogadores daquele quilate, mas é um prata da casa que novamente faz sucesso como treinador: Jayme de Almeida. Não é o primeiro, possivelmente não será o último. Mais recentemente, em 2009, o ídolo Andrade foi de auxiliar técnico a treinador campeão brasileiro. Hoje, dá conselhos a Jayme e à própria diretoria para que o ciclo não se encerre.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

“Mais uma vez, um prata da casa é a solução. O Flamengo tem que enxergar e valorizar mais isso. O Flamengo sempre gosta de trazer caras de fora, com salários altos, mas os que resolvem sempre são os pratas da casa, que não são valorizados e reconhecidos”, disse Andrade, em entrevista ao iG ..

Leia mais: Desempregado desde 2012, Andrade vira exceção entre técnicos campeões

Em 2009, o ídolo da torcida como jogador ganhou destaque como técnico. Andrade era auxiliar de Cuca, mas o paranaense foi demitido e coube ao ex-volante assumir o comando da equipe, que ocupava a 12ª colocação daquele Brasileirão. Liderado em campo por Adriano e Petkovic, o Flamengo conseguiu uma arrancada impressionante rumo ao hexa, coroando o trabalho de Andrade, que caiu nas graças da torcida rubro-negra também como técnico.

Confira a classificação, notícias, tabela de jogos e artilharia do Brasileirão

Para se ter uma ideia da eficiência dos treinadores da casa campeões pelo Flamengo, em cinco dos seis Campeonatos Brasileiros conquistados o clube era dirigido por um ex-jogador de sucesso com a camisa rubro-negra: Paulo César Carpegiani (1982), Carlos Alberto Torres (1983), Carlinhos (1987 e 1992) e Andrade (2009). Em 1980, Claudio Coutinho era o técnico e, embora não tenha sido jogador, era flamenguista e conhecia bem o clube.

Andrade assumiu o Flamengo após a saída de Cuca e levou o time ao hexa em 2009
Gazeta Press
Andrade assumiu o Flamengo após a saída de Cuca e levou o time ao hexa em 2009


Agora é a vez de Jayme de Almeida tentar mostrar a força dos treinadores desacreditados no Flamengo. Sem o brilho de Andrade como jogador, ele era auxiliar de Mano Menezes e assumiu o posto de técnico após a saída do gaúcho. Levou o clube carioca à final da Copa do Brasil e é mais um prata da casa a fazer sucesso no time. Independentemente do resultado da decisão diante do Atlético-PR, já está confirmado pela diretoria para 2014 e conta com o apoio do amigo Andrade.

“Tenho uma amizade de mais de trinta anos com o Jayme, e minha torcida por ele é imensa. Estão sabendo reconhecer o trabalho dele, que tem de ser elogiado. Antes se falava de rebaixamento no Brasileiro e o Flamengo está praticamente livre, além da final da Copa do Brasil. Se o Jayme pegasse o time antes poderia estar brigando pela Libertadores”.

Ídolo revelado no clube vê inversão de valores na base
Na época em que Andrade jogava, o elenco do Flamengo era formado por atletas da base. Além do próprio volante, Zico, Júnior, Adílio, Leandro e Tita, entre outros, brilhavam com a camisa do Flamengo e faziam sucesso na seleção brasileira. Porém, nos dias atuais, a base revela menos jogadores de sucesso e alguns deles são alçados rapidamente aos profissionais, o que pode ser prejudicial.

“Mudou o conceito, hoje priorizam mais os contratados. Na minha época, priorizavam os da base. A ordem se inverteu. Com isso, foram queimando bons jogadores, como os meninos da Copa São Paulo, o Adryan, por exemplo. Tem que ter um pouco mais de carinho e paciência com os jovens, a mesma com os caras que vêm de fora”, disse Andrade, citando o time campeão de juniores na edição 2011 da Copinha.

A inversão fica clara na comparação de elencos. Nos times do Flamengo campeões do Mundial, em 1981, e do Brasileirão anterior, em 1992, erm sete os jogadores formados na base. Já em 2009, na conquista do Brasileirão mais recente, apenas Íbson e Adriano foram revelados pelo clube carioca, e ainda estavam na segunda passagem pelo clube. No elenco atual, Adryan, Luis Antonio, Rafinha, Frauches e Nixon jogam regularmente, mas estão longe de serem unanimidade diante da torcida. No banco, porém, a máxima ainda vale: técnico o Flamengo faz em casa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.