Querido no elenco, Douglas releva críticas e chega a 100 jogos no São Paulo

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Titular da equipe apesar das opiniões negativas de parte da torcida, jogador atingirá a marca diante do Atlético Nacional, de Medellín, pela Copa Sul-Americana

Vipcomm
Douglas, jogador do São Paulo

As críticas de parte da torcida do São Paulo não abalam Douglas. Limitado na opinião de alguns, o lateral direito supera as opiniões negativas sobre ele para alcançar uma marca importante na carreira, nesta quarta-feira. No Morumbi, ele completará sua 100ª partida com a camisa tricolor ao enfrentar o Atlético Nacional, de Medellín.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Não é (uma marca) para mostrar para ninguém. Eu procuro mostrar para mim mesmo. Tenho objetivos na vida e sei o quanto trabalho no dia a dia para ajudar o São Paulo. É gratificante ter vestido essa camisa por tantas partidas", disse o jogador, um dos mais queridos dentro do elenco, inclusive pelo capitão, o goleiro Rogério Ceni, que pode se aposentar no fim do ano.

Confira tabela de jogos, artilharia e notícias da Copa Sul-Americana

"Se ele parar, não só eu perco, como o São Paulo todo. O clube tem muito a perder, porque a história dele é linda. Como jogador e como pessoa. Ele é um cara exemplar. Eu sempre agradeço a ele pela força que me deu aqui, pelas palavras a meu favor. Fará falta para mim e para todos", comentou.

Ceni já fez questão de dizer publicamente, mais de uma vez, a importância de Douglas para a equipe. No meio do ano, durante a passagem pelo Japão (para a disputa da Copa Suruga), os jogadores prepararam uma comemoração surpresa por seu aniversário de 23 anos, ocasião em que o goleiro brincou e cobrou discurso do colega.

Não só os atletas enxergam sua importância. Desde Ney Franco, Douglas raramente não teve espaço entre os titulares. Foi assim também com Paulo Autuori e agora com Muricy Ramalho, que o tem escalado praticamente no mesmo setor do campo em que o lateral atuou no início da temporada.

"É uma função parecida. Mas, ao mesmo tempo em que ataco, eu defendo. Sou um ala mais avançado, mas que sempre busca a marcação também. Ele me pede para estar de olho sempre no jogador que está fechando e no lateral. Vem dando certo", comemora o jogador.

Leia tudo sobre: são paulosul-americana

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas