Portuguesa cobra R$ 37 mil de empresa que organizou jogo com Fla em Fortaleza

Por Thiago Rocha - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo presidente da Lusa, representante da Xaxá Produções prometeu quitar o débito nesta terça-feira

Jarbas Oliveira/Futura Press
Flamengo e Portuguesa se enfrentaram no Castelão

A empresa Xaxá Produções, baseada no Mato Grosso do Sul e responsável por organizar a partida entre Portuguesa e Flamengo na Arena Castelão, em Fortaleza (CE), pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, deve R$ 37 mil à Lusa de acordo com Manuel da Lupa, presidente do clube paulista.

Comente esta notícia com outros torcedores

Após o jogo do último domingo, que terminou com empate sem gols no Ceará, dirigentes da Portuguesa não encontraram representantes da empresa no Castelão para quitar as pendências. A ideia era descontar da renda da partida, mas o valor de R$ 810.950 já havia sido retirado, o que irritou Da Lupa, que registrou um Boletim de Ocorrências contra a Xaxá Produções.

Ao iG Esporte, Da Lupa afirmou na tarde desta segunda-feira que os representantes da empresa foram localizados e prometeram pagar a dívida até terça: "Eles disseram que pagariam na sexta-feira antes do jogo, mas o dinheiro não apareceu. Eu fiquei nervoso por não ter encontrado ninguém da Xaxá em Fortaleza e fui fazer BO. Mas um dos sócios, chamado Fabiano, falou com nosso vice-presidente de futebol (Roberto dos Santos) e prometeu pagar até amanhã. Vou lhe falar a verdade: eles nos devem R$ 37 mil", assegurou Manuel da Lupa.

Confira classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

Ainda no domingo apareceram reclamações sobre um possível calote da Xaxá Produções com várias partes envolvidas com o jogo. Mauro Carmélio, presidente da Federação Cearense de Futebol, usou sua conta no Twitter para cobrar a empresa: "Faltou pagar as despesas normais do boletim financeiro. Ela pagou somente a alguns e, pelo que soube, fugiu inclusive do hotel", escreveu.

Segundo Da Lupa, o representante da Xaxá Produções admitiu não ter pago a empresa que forneceu alimentação para funcionários do Castelão e policiais que trabalharam no jogo, os impostos a serem repassados à Federação Paulista de Futebol e o aluguel do estádio, mas ele teria pedido o prazo de 72 horas para resolver a situação. "Se ficaram devendo para o hotel não foi a Portuguesa, tanto que já estamos em São Paulo, senão nem deixariam a gente sair. Vi gente dizendo que eles ficaram devendo para o Flamengo, mas eles eram os visitantes, quem custeou a viagem deles foi a CBF", disse o presidente da Lusa.

Em entrevista ao site Campo Grande News, Fabiano Ribeiro Rodrigues, um dos sócios da Xaxá Produções, negou o calote e disse que contestará na Justiça uma taxa de 7% em cima do valor da bilheteria, que seria pelo uso do estádio. Ele alegou já ter pago R$ 70 mil pelo aluguel do Castelão: "O Governo (do Ceará, administrador do local) não pode cobrar duas vezes", defendeu-se.

Rodrigues também disse ter os comprovantes do que pagou: R$ 600 mil à Portuguesa, R$ 52 mil em 37 passagens aéreas, R$ 22 mil em três diárias do hotel, R$ 45 mil àFederação de Futebol do Ceará, R$ 45 mil à Federação Paulista de Futebol, R$ 70 mil pelo aluguel do estádio e R$ 24 mil para a segurança.

Por meio de nota oficial, a administração do Castelão informou na noite desta segunda-feira que vai processar a Xaxá Produções por suposto calote e colocou a Portuguesa, por ser mandante do jogo, como "responsável direta pelo pagamento das despesas, taxas e demais valores", estabecendo prazo de 72 horas para que a situação seja resolvida.

Itinerante

Da Lupa também explicou o motivo de a partida com o Flamengo ter sido disputada no Ceará, o que gerou revolta em torcedores da Portuguesa: "Essa empresa nos procurou querendo levar o jogo para o Mato Grosso do Sul, mas por causa do horário de verão a CBF nos aconselhou a jogar em Fortaleza, já que o Castelão ainda não tinha recebido jogos da Série A depois da reforma para a Copa. Nós aceitamos e dentro dos valores combinados a Portuguesa só não recebeu R$ 37 mil".

Não foi a primeira vez que o clube paulista "vendeu" um mando de campo neste Campeonato Brasileiro. Em 29 de setembro, pela 24ª rodada, a Portuguesa enfrentou o Corinthians em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, vencendo o rival por 4 a 0.



Leia tudo sobre: portuguesabrasileiraoxaxá produçõesmanuel da lupaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas