Presidente indica reformulação no Corinthians para a temporada 2014

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente revelou descontentamento com campanha do time no segundo semestre, porém comparou a queda da equipe a de outros campeões

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Mario Gobbi com a taça da Recopa

Mário Gobbi deu mostras, após a eliminação da Copa do Brasil, de que pretende fazer mudanças no elenco do Corinthians na virada para 2014. O presidente só prefere deixar o assunto para depois, pois não há a possibilidade de promover essa reformulação agora, e ele ainda espera ao menos um fim digno para o decepcionante segundo semestre alvinegro.

O Corinthians precisa de uma reformulação para 2014? Opine!

"Não se faz mudança ou reformulação no final de um campeonato. Temos dois meses, se tanto. Não é hora de falar nisso. No futebol, tem momento para tudo: para agir, para ter uma flexibilidade maior... Nós sabemos a hora em que é possível fazer as coisas que precisam ser feitas", afirmou o dirigente.

Leia mais:  Gobbi vê Pato longe de seu potencial e cobra: "Podia ter jogado muito mais"

O Campeonato Brasileiro termina no dia 8 de dezembro. E, a não ser que a equipe do Parque São Jorge tenha uma arrancada improvável que a coloque na Copa Libertadores, a avaliação da segunda metade da temporada, após as conquistas do Campeonato Paulista e da Recopa Sul-americana, será bastante negativa.

Confira a classificação, notícias, tabela de jogos e artilharia do Brasileirão

"Na verdade, neste segundo semestre, o time não fez uma campanha à altura do potencial de qualidade que o grupo tem. Teve uma queda. Estamos trabalhando muito para que eles voltem a jogar como sabem jogar. Ninguém desaprende, mas o futebol tem dessas coisas. Já melhoramos. Estivemos pior, por incrível que pareça. Mas a torcida pode ter a certeza de que trabalhamos e cobramos, estamos em cima", disse Gobbi.A mudança pode começar pelo técnico Tite, cujo contrato termina no final do ano. Entre os atletas, estão no fim de seus compromissos o lateral Alessandro, inclinado à aposentadoria, e o volante Maldonado, que não permanecerá. Os demais têm acordos mais longos, como é o caso de Emerson.

O contrato do Sheik acabaria em dezembro, mas ele o prorrogou até o meio de 2015 às vésperas da decisão da Recopa. Depois disso, irritou torcedores organizados publicando a foto de um beijo em um amigo e incomodou também a diretoria e a comissão técnica com expulsões e atrasos. Na última quarta, no jogo que tirou o Corinthians da Copa do Brasil, levou seu segundo cartão vermelho em três jogos na competição.

"Isso não foi benéfico ao Corinthians, ao grupo. Quanto à renovação do contrato, é assim: se eu não renovasse, hoje todos estariam falando que não passou pelo Grêmio porque eu não renovei com o Emerson Sheik. As pessoas que analisem da forma delas. O que nós temos que fazer, se não estamos satisfeitos, é cobrar a conduta e o respeito ao Corinthians, porque o Corinthians cumpre muito bem a parte dele", afirmou o presidente.

Enquanto não pode colocar em prática a reformulação que imagina, Gobbi pede reação nos oito jogos finais do ano. Ainda que considere compreensível a queda da equipe após a conquista de tantos títulos, ele vê possibilidade de melhora ainda em 2013 e sonha até com a classificação à Copa Libertadores.

"A história do futebol mostra que todo time que ganha tudo tem uma queda. O Barcelona ganhou tudo e teve uma queda. O Corinthians está há seis anos ganhando títulos. Foram seis anos de glórias. Foram oito títulos e dois vices. E você não consegue seis, sete, oito anos ganhando tudo. Faz dois meses que nós não ganhamos um título, e você vê que a cobrança acontece. É normal ter uma baixa. Temos que consertar os motivos da baixa e fazer o time voltar a jogar no nível que jogou nos últimos seis anos. Esse é o compromisso", concluiu Mário Gobbi.

Leia tudo sobre: Mário GobbiTiteEmersonCorinthiansigspbrasileiraocopa do brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas