Bahia perde nos pênaltis, e Atlético Nacional será o rival do SP nas quartas

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Equipe brasileira venceu por 1 a 0 no tempo normal, mas perdeu nas cobranças de pênaltis

O torcedor do Bahia acreditava na classificação às quartas da Copa Sul-Americana, fez sua parte nas arquibancadas e o time tentou corresponder dentro de campo. Em desvantagem no confronto, o time brasileiro conseguiu vencer por 1 a 0 e levou à decisão para os pênaltis, mas não foi o suficiente para evitar a eliminação. Com apenas uma cobrança desperdiçada, o Atlético Nacional, da Colômbia, fez 4 a 3 e carimbou o passaporte para as quartas de final, e agora vai enfrentar o São Paulo.

Reuters
Obina foi titular na equipe do Bahia

Para conseguir levar à decisão para os pênaltis, o Bahia precisou tirar a vantagem de um gol, construída pelo Atlético Nacional no primeiro confronto, na Colômbia. Desta forma, no início do primeiro tempo, Hélder já inaugurou o marcador e deixou as duas equipes em iguais condições na Fonte Nova.

Confira o chaveamento e os próximos jogos da Copa Sul-Americana

Desta forma, o Bahia estava de volta a uma disputa por pênaltis - não participava desde a Copa do Brasil de 1999, quando foi eliminado pelo Juventude -, mas o desfecho não foi feliz. Fabrício Lusa e Souza desperdiçaram suas cobranças, enquanto Marcelo Lomba defendeu apenas um chute. O Atlético Nacional estava classificado.

O jogo
A derrota por 1 a 0 no primeiro jogo do confronto não afastou o torcedor tricolor, que compareceu em à Arena Fonte Nova e empurrou os anfitriões em busca do resultado. Dentro de campo, o Bahia não decepcionou, começou pressionando a saída de bola do Atlético Nacional e a estratégia ofensiva deu resultado logo no início.

O zagueiro Mejía tentou sair com a bola dominada no campo defensivo do time colombiano, mas se atrapalhou no lance e viu Hélder aparecer para fazer o desarme. O meia do Bahia não titubeou, invadiu a área e tocou na saída do goleiro Armani, que nada pôde fazer. O confronto estava empatado na Arena Fonte Nova.

Mesmo depois de tirar o empate, o Bahia precisava manter a mesma atenção, já que o gol fora de casa era o primeiro critério de desempate. Sendo assim, o Atlético Nacional logo tratou de chegar com perigo ao ataque e deu trabalho para o goleiro Marcelo Lomba, principalmente nas jogadas aéreas.

Ainda no final do primeiro tempo, o Tricolor de Aço quase marcou o segundo, mas também parou no goleiro adversário. William Barbio roubou a bola da zaga colombiana, tabelou com Souza, bateu firme para o gol e Armani fez grande defesa. O jogo aberto animava o torcedor e a promessa de uma etapa complementar ainda mais animada logo se concretizou.

AP
Bahia foi eliminado pelo Atlético Nacional

No início do segundo tempo, o Bahia quase ampliou em uma boa triangulação com Hélder, Obina e Jussandro, mas, na sequência, o jogo se transformou em uma pressão do Atlético Nacional. Aos 11, Bernal foi lançado em profundidade, saiu com liberdade dentro da área, teve a chance de empatar e acabou parado por Marcelo Lomba, que saiu muito bem para fazer a defesa.

O goleiro do Bahia, a partir de então, se tornou o nome do jogo. Aos 16, Lomba contou com a ajuda da zaga para desviar o chute de Mejía, mas, aos 23, se esticou para buscar a finalização de Cárdenas, que arriscava de fora da área. O arqueiro, no entanto, se transformou em herói no tempo regulamentar apenas aos 42 minutos, quando fez mais uma grande defesa diante de Uribe.

O jogo ficou dramático para o Bahia, já que, no lance seguinte, Lomba defendeu uma bela cabeceada de Duque. O Atlético Nacional pressionava e a defesa do Tricolor de Aço tentava se segurar de qualquer maneira. Com esforço, os anfitriões conseguiram cumprir o objetivo no tempo regulamentar e levaram a decisão para os pênaltis.

Os pênaltis, no entanto, tiveram a incumbência de fazer justiça no resultado. Melhor ao longo dos noventa minutos, os colombianos carimbaram a vaga nas cobranças. Fabrício Lusa e Souza desperdiçaram, enquanto Marcelo Lomba defendeu apenas um chute. O Atlético Nacional estava classificado.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 1 (3) X (4) 0 ATLÉTICO NACIONAL-COL

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 24 de outubro de 2013 (quinta-feira)
Horário: 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Diego Abal (Argentina)
Assistentes: Hernán Maidana e Ezaquiel Brailovsky (ambos da Argentina)
Público: 9408 pessoas
Renda: 164.350,00
Cartões Amarelos: Lucas Fonseca, Heldér (BAHIA), Bernal e Valencia (ATLÉTICO NACIONAL)

Gol
BAHIA: Helder, aos quatro minutos do primeiro tempo

Pênaltis:
BAHIA: Marquinhos Gabriel, Anderson Talisca e Fahel fizeram; Fabrício Lusa e Souza perderam
ATLÉTICO NACIONAL: Medina, Valencia, Uribe e Bernal fizeram; Cárdenas defendeu

BAHIA: Marcelo Lomba; Madson, Lucas Fonseca (Titi), Demerson e Jussandro; Fahel, Fabrício Lusa e Hélder; William Barbio (Anderson Talisca), Souza e Obina (Marquinhos Gabriel)
Técnico: Cristóvão Borges

ATLÉTICO NACIONAL-COL: Armani, Nájera, Henríquez, Murillo, Guisao (Diáz), Mejía, Bernal, Valencia, Medina, Cárdenas e Duque (Uribe)
Técnico: Juan Carlos Osorio

Leia tudo sobre: Sul-AmericanaBahia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas